Aidan fará auditoria em contratos da gestão anterior em Santo André

PTB Notícias 5/01/2009, 9:28


O governo Aidan Ravin (PTB) em Santo André será iniciado com uma minuciosa varredura nos contratos firmados pela gestão anterior nos últimos anos.

Embora a equipe de transição indicada pelo petebista não tenha encontrado irregularidades durante o processo de troca de comando, uma empresa será contratada exclusivamente para fazer uma auditoria nas contas do Poder Público.

A medida foi definida neste final de semana, nas duas primeiras reuniões do novo chefe do Executivo com seu secretariado empossado.

O objetivo do exame contábil é eximir Aidan de qualquer responsabilidade futura sobre eventuais problemas em contratos firmados pela gestão petista.

O PT avaliou a atitude do novo comandante andreense como “normal”, porém, “pirotécnica”.

E afirmou estar “tranquilo” com relação à investigação.

Os petistas estiveram no poder por 12 anos consecutivos, dos quais cinco com Celso Daniel (prefeito assassinado em janeiro de 2002) e sete com João Avamileno.

A auditoria externa abrangerá contratos de grande e médio porte envolvendo todas as secretarias e autarquias (Semasa, Craisa, Instituto de Previdência e Serviço Funerário), dívidas com precatórios e relação com ONGs.

A administração quer agilidade na avaliação de contratos, licitações e convênios em curso.

Por isso, pretende definir quem fará a auditoria já nesta semana.

A varredura deve ser iniciada pela Secretaria de Finanças, onde se concentram a maioria dos acordos.

O atual governo não confirma, mas ventila-se nos corredores da Câmara e da Prefeitura que a equipe de transição indicada por Aidan não apontou possíveis problemas propositalmente, a fim de evitar disputas políticas e garantir um processo tranquilo.

Pessoas com circulação no alto escalão petebista admitem a preocupação e insinuam prováveis irregularidades.

Uma delas afirmou que representantes da antiga Chefia de Gabinete teriam declarado não fazer o controle das indicações políticas nas ONGs prestadoras de serviço à Prefeitura.

Outra ação determinada por Aidan é o corte de quase metade dos cargos comissionados.

A ideia é garantir economia nos gastos e valorizar os servidores públicos – os quais serão qualificados e analisados para assumir tais postos, que inicialmente ficarão congelados.

Agência Trabalhista de Notícias (com informações do Diário do Grande ABC)