Aidan Ravin faz balanço da atual administração e divulga ações em St.André

PTB Notícias 11/04/2011, 7:29


Prestes a completar o terceiro ano de mandato, o prefeito de Santo André (SP), Aidan Ravin (PTB), quer colocar a cidade nos eixos.

Prevendo um futuro melhor para o município, o chefe do Executivo garante que seu mandato ficará marcado por uma nova postura da prefeitura diante dos serviços prestados à população, colocadas por como municipalidade.

“A cidade voltou a sorrir, novamente, e a acreditar no futuro”, assegura o prefeito, em menção ao presente de 458 anos da cidade.

Ravin recebeu a equipe do BOM DIA em seu gabinete e fez, durante aproximadamente uma hora de entrevista, um balanço das ações realizadas até então pela administração andreense.

Otimista com o planejamento estabelecido, o chefe do Executivo apontou o Poupatempo da Saúde como a “menina dos olhos” de sua gestão e possível marca política nas próximas gerações.

“É um super presente que a gente tinha focado e, se fosse fazer no trâmite normal, não daria tempo.

Tivemos a chance de já usar o prédio da SOSP [Secretaria de Obras e Serviços Públicos], adaptá-lo, em menos de dois anos”, mencionou, sobre a redução no tempo de implantação do projeto, com o aproveitamento de um prédio municipal.

Além dos projetos mencionados, Aidan anunciou uma lista de obras viárias que estão sob estudo pelo corpo técnico da prefeitura, com o objetivo de eliminar os gargalos viários da cidade.

Só para citar alguns, estão programadas intervenções na Avenida Pereira Barreto, viaduto 18 do Forte e, principalmente, um projeto de integração com o metrô paulista, paralelo ao VLT (Veículo Leve Sobre Trilhos) apresentado pelo Consórcio Intermunicipal.

Este, sairia da região do Espaço Pirelli e iria até Guarulhos.

A ideia é dar um grande salto no setor de Transportes.

“É um projeto para um ano ou dois? Não, é algo para o futuro.

Mas é de visão, que liga Santo André a Guarulhos.

E ainda demos uma solução mais barata que esse projeto que vem de São Bernardo, que tem que ser elevado” apontou o prefeito.

BOM DIA_ Quando o Poupatempo da Saúde entra em funcionamento? Como será feito o planejamento com as demais unidades de saúde?Aidan Ravin_ Já está tudo pronto e armado para acontecer, no mês de abril.

Tive uma reunião com o governador [Geraldo Alckmin] recentemente e falei do Poupatempo da Saúde com ele.

Alertei sobre uma abstenção muito grande que temos na rede.

O pessoal falta a mais de 40% das consultas e isso é ruim para a gente, é alto.

Colocamos um Disque-Saúde para falar com o pessoal e chegar a 25% [índice de abstenção], que mesmo assim ainda é alto, pela necessidade e tempo que temos para passar com um especialista.

Fazemos de tudo para melhorar isso.

[A Saúde] É meu carro chefe, por eu ser médico, mas é muito complicada.

Por mais que a gente vai ajeitando, ela estava muito abandonada na cidade.

Para regularizar tudo isso demanda tempo.

Aumentamos os investimentos de R$ 180 milhões para R$ 272 milhões e tivemos que readequar toda a rede.

Então fizemos uma centralização de consultas, que eram marcadas separadamente.

Com uma central só há uma fila, além de ter médicos capacitados para ver se é um caso de emergência ou não.

A mudança nos postos de saúde de forma geral é para todo mundo ser padronizado.

Isso vai dar aquela situação de municipalidade, de integração.

BD_ Santo André apresentou um projeto alternativo para o VLT.

Como será implantado? AR_ O VLT (Veículo Leve Sobre Trilhos) não ia nem passar perto de Santo André, só na divisa e ainda do lado de São Bernardo.

Entramos com outro projeto, também do VLT, mas específico, saindo de Santo André até Guarulhos.

É algo à parte, que pega toda essa região saindo de uma possível estação na região da Pirelli.

É um projeto para um ano ou dois? Não, é algo para o futuro.

Mas é de visão, que realmente liga Santo André a Guarulhos.

E ainda demos uma solução mais barata que esse projeto que vem de São Bernardo, que precisa ser elevado.

Tem muito mais facilidade e agilidade.

Queremos começar o mais rápido possível.

Tem que ter planejamento, mas já existe todo um esboço.

Não quero rogar praga, mas adoraria começar antes que o outro [VLT até São Bernardo].

Não estou batendo de frente, mas é um projeto paralelo àquele passa na divisa de Santo André, vai a São Caetano e finaliza no Ipiranga.

O nosso sai de Santo André, lá na Vila Luzita, mas também pode ir até São Bernardo.

Você pode abrir dois caminhos para situações opostas.

Um não atrapalha em nada o projeto do outro, só se completam.

BD_ Como a prefeitura trabalha com a tendência de verticalização da cidade? AR_ É uma tendência, não tem como fugir.

Hoje há facilitação, a prefeitura é um facilitador.

O Projeto Pirelli [investimento residencial] só está saindo porque a gente foi até a empresa e empreendedores.

É algo muito próximo, ainda mais agora com o Rodoanel.

Um centro novo na cidade não atrapalha nada, pelo contrário.

Quem já está instituído já está lá, é só não parar no tempo.

Nossa visão é que você tem que trazer investidores novos para a cidade.

No fator verticalização, o pessoal fugiu muito porque não se dava atenção às grandes empresas que vinham para cá.

BD_ Qual é o planejamento estabelecido para eliminar os gargalos viários?AR_ É uma situação que já não vem sendo planejada há anos, 20 ou 30 anos atrás.

Temos pensado em uma transposição na Avenida do Estado.

Outra situação que também pensamos é a mão única em ruas principais, porque não há mais espaço para fazer uma “guerra” [no trânsito].

Está em estudo, por isso, não dá para citar nenhuma, senão todo mundo vai querer que seja assim ou assado.

No [viaduto] 18 do Forte, é um braço do viaduto.

Temos a vontade de fazer essa obra para dar vazão.

Pensamos também em um anel viário em Utinga, com saídas.

Existe também uma ideia, que é fazer uma trincheira na Pereira Barreto, na região do Habib’s.

De rebaixar, para o trólebus passar por baixo, e o resto ficar livre.

É uma obra muito pesada, cara.

Já está com estudo de fazer alças ali para quem vem da Avenida Higienópolis seguir direto ou para quem vai para São Bernardo.

Você tira alguns semáforos dali e faz o fluxo ir mais rápido em ambos sentidos.

BD_ Na área de Segurança, qual a prioridade da cidade?AR_ Já fizemos uma reunião sobre videomonitoramento.

Estamos em vias finais para todas as escolas terem câmeras de vídeo, além dos postos de saúde.

Serão mais de 100 câmeras.

Estamos buscando parceria para aumentar isso e, além do videomonitoramento termos banda larga na cidade.

Terá foco no trânsito também.

Se você tem os pilares, fica mais fácil de ampliar a rede.

O pessoal foi a Brasília semana passada para “fechar” isso.

Ainda temos 650 guardas municipais e estamos chamando mais 200 para incorporá-los.

Em menos de 3 anos teremos dobrado a capacidade da Guarda quando assumi.

BD_ Como a administração Ravin tem atuado para diminuir a falta de moradias em Santo André?AR_ Santo André foi o primeiro município a ser contemplado com o Minha Casa, Minha Vida, mesmo com três cidades comandadas pelo PT [no ABCD].

Conseguimos fazer o projeto primeiro.

Temos quase 10 mil casas empenhadas em projetos por lá.

São quatro em andamento, além de um TAC [Termo de Ajustamento de Conduta] no Jardim Santo André , que assim que entrei na administração o pessoal foi pra rua, deram uma complicação danada.

Estava parada há 10 anos, mas começou a andar a passos de mágica.

Foi bom porque recebemos o secretário de Habitação de São Paulo e conseguimos definir tudo com o Ministério Público de São Paulo e de Santo André.

O TAC será assinado dia 11 [de abril] e serão mais de R$ 200 milhões de investimentos no Jardim Santo André.

Queremos ainda outras quatro mil unidades para a cidade.

BD_ Qual a avaliação que você, prefeito, faz da Educação andreense no momento?AR_ A Educação está difícil (risos).

Fizemos reformas de verdade em 48 escolas, com piso adequado, banheiros adaptados, salas limpas.

É importante que as crianças entendem que ali é como as casas delas.

Com o uniforme e mais a inovação de toda criança da rede ter um livro.

A cada três meses os livros serão trocados.

Teremos 10 escolas municipalizadas.

Conseguimos entregar kits escolares a todos os alunos e acho que isso tudo os pais estão vendo.

A Educação é um dos carros fortes da nossa administração.

Os outros são Saúde e Segurança.

BD_ Qual o presente que o senhor dará à cidade no aniversário de 458 anos?AR_ O Poupatempo é um super presente que a gente tinha focado e se fosse fazer no trâmite normal não daria tempo.

Tivemos a chance de já usar o prédio da SOSP [Secretaria de Obras e Serviços Públicos], adaptá-lo, e fazer isso em menos de dois anos.

Um presentão? Colocaria assim: a cidade voltou a sorrir novamente e a acreditar no futuro.

Agência Trabalhista de Notícias (LL) com informações do Portal Rede Bom Dia