Aidan Ravin garante que define nesta sexta-feira empresa que fará auditori

PTB Notícias 6/02/2009, 10:57


O escritório de advocacia que auditará 441 acordos firmados pela antiga administração petista em Santo André será conhecido hoje.

A garantia é do prefeito Aidan Ravin (PTB), que nesta quinta-feira (05/02) foi pessoalmente à Câmara protocolar o projeto de reforma administrativa.

O petebista afirmou que mesmo que o processo de concorrência seja questionado judicialmente, a definição da empresa se dará emergencialmente.

“Não haverá mais atrasos.

Já existe um grande avanço interno nesta questão de análise de contratos e convênios, mas não podemos nos pronunciar oficialmente sem ter o aval de uma empresa sólida.

” Aidan reafirmou que a licitação não será cancelada.

“A carta-convite é algo que está garantido na lei de licitações.

Não temos motivos para cancelá-la.

Se porventura não pudermos escolher um nome via concorrência, faremos por emergência.

” O edital, segundo a reportagem apurou, sofreu questionamentos na Justiça.

Um deles ocorreu ontem, no final da tarde.

A advogada Maria Helena Musachio interpôs representação para a suspensão do procedimento licitatório.

Pela primeira vez, o chefe do Executivo rebateu publicamente os especialistas que consideram equivocada a modalidade escolhida pela Prefeitura para a concorrência.

A grande crítica diz respeito ao valor máximo a ser pago pela municipalidade nesta licitação: R$ 80 mil.

O montante é considerado abaixo do praticado pelo mercado, o que não garantiria a contratação de uma empresa de renome para realizar um trabalho complexo.

“O pessoal fala que é muito pouco esse valor.

Mas funcionário público também ganha pouco e nem por isso deixa de trabalhar.

” ESCOLHA – A Prefeitura pretende abrir hoje os envelopes com propostas.

Segundo a assessoria do Paço, 18 escritórios retiraram os editais.

Mas ainda não se sabe quantos realmente decidiram participar do certame.

A Prefeitura respondeu todos os itens constantes do edital que foram questionados pelo advogado Márcio Cammarosano, em matéria publicada pelo Diário ontem.

Entre os mais polêmicos estavam a definição do objeto a ser auditado, considerado insuficiente pelo especialista.

Segundo o Paço, “a maioria dos convênios e contratos administrativos tem apenas um volume, o que para uma empresa especializada não demandará além de uma hora de trabalho para cada um deles.

” Sobre a possibilidade de a empresa receber o valor do contrato antes de terminar o serviço, o governo diz: “É evidente que caso a administração prorrogar o prazo .

.

.

o último pagamento será, sempre, condicionado à entrega final do trabalho de auditoria.

“Fonte: Diário do Grande ABC