Aidan Ravin muda concepção da Guarda Civil Municipal de Santo André

PTB Notícias 30/05/2011, 7:35


Até o fim da semana que vem, a Guarda Civil Municipal de Santo André (SP) irá extinguir a Romu (Ronda Operacional Municipal) e deslocar efetivo e viaturas desse programa para a recém-criada Ronda Escolar, que fará patrulhamento preventivo diário pelas unidades de ensino.

Secretário de Segurança Pública Urbana e Trânsito, Adilson de Lima disse que, embora a GCM faça rondas pelo perímetro escolar, o município não tinha até agora um serviço específico de segurança nas escolas.

A ideia de criar um programa já havia sido anunciada pelo prefeito Aidan Ravin (PTB) em março do ano passado.

Além de três veículos, modelo Parati, a Ronda Escolar receberá quatro utilitários, modelo Blazer, que hoje são da Romu.

Em breve, a administração irá adquirir mais dez veículos para o serviço.

Quando estiver operando com toda a estrutura planejada, o programa, que terá apoio da frota de motocicletas, deverá ter cerca de 80 guardas para fazer rondas nas escolas nos horários de entrada e saída.

Segundo o secretário, o patrulhamento das unidades, também realizado pela Polícia Militar, tem função preventiva.

“Vamos intensificar a Ronda Escolar com planejamento, para trazer mais tranquilide para pais, alunos e funcionários.

“Diferentemente das viaturas da Romu, que têm no azul-marinho a cor predominante, os carros da Ronda Escolar vão valorizar também o branco, com acréscimo de faixas amarelas, em referência ao brasão de Santo André, nas laterais e no capô.

Além de dez veículos, a Prefeitura irá adquirir 30 motos, para auxiliar as rondas escolares, mas, sobretudo, ampliar o patrulhamento pelos bairros, que são percorridos mais facilmente em veículos de duas rodas, mais leves e versáteis.

DesmilitarizaçãoA criação da Ronda Escolar e a promessa de aumentar a vigilância pelos bairros não representam apenas dois serviços, mas uma mudança na GCM.

“Vamos buscar interação cada vez maior com a comunidade, mostrar que a Guarda Civil está apta para colaborar”, explicou Lima, citando a legislação, que determina que as GCMs devem proteger bens municipais, serviços e instalações.

Atualmente, a corporação conta com cerca de 570 homens e mulheres.

Mais 100 guardas-civis estão em treinamento e deverão se juntar ao efetivo em 90 dias.

O secretário afirmou que a Ronda Escolar e o patrulhamento mais presente nos bairros colocam a GCM mais perto de “sua missão constitucional, que não é a usurpação das forças de segurança do Estado”, mas de colaboração com o trabalho das polícias Civil e Militar.

Casos como o revelado ontem pelo Diário, de dois guardas-civis de Santo André que estão sendo acusados de roubar um smartphone e agredir um andarilho, serão apurados com rigor, segundo Lima.

“Para qualquer situação de abuso, existe a Corregedoria.

” Agência Trabalhista de Notícias (LL) com informações do Portal Diário do Grande ABC