Ameaça de perder investimentos da Aracruz preocupa prefeito de Rio Pardo

PTB Notícias 3/05/2007, 15:03


A ameaça de o Estado do Rio Grande do Sul perder o investimento confirmado no ano passado pela Aracruz deixou o prefeito da cidade de Rio Pardo, o petebista Jôni Lisboa da Rocha, apreensivo.

A cidade é um dos quatro pontos estratégicos no projeto, que deverá superar os investimentos feitos em solo gaúcho pela General Motors e pelo Pólo Petroquímico.

Está prevista a aplicação de aproximadamente R$ 300 milhões em Rio Pardo, R$ 120 milhões na construção de um porto, às margens do Rio Jacuí, que deverá se tornar um terminal rodohidroferroviário para escoamento da madeia produzida na região e na Metade Sul para a fábrica, em Guaíba.

O prefeito Joni Lisbôa disse que a demora na liberação dos licenciamentos ambientais pode atrasar os planos da empresa.

“No ano passado, quando foi assinado o protocolo de intenções, foi dito que 2007 seria o ano dos licenciamentos e que as obras em Rio Pardo começariam no segundo semestre.

Mas pelo jeito está tudo atrasado”, comentou o prefeito petebista.

Joni Lisbôa informou que líderes políticos e setoriais da cidade estão atentos ao impasse e pretendem se mobilizar para evitar que a Aracruz desista de investir na região.

“Esse projeto é interessante para todo o Vale do Rio Pardo”, salientou o prefeito.

Dentre os projetos encaminhados pela Aracruz e ainda não licenciados pela Fepam está o plantio de florestas de eucalipto no interior de Rio Pardo.

Um levantamento da Secretaria Municipal de Agricultura aponta que somente no segundo semestre de 2006 a empresa comprou cerca de 10 mil hectares no município.

O preço médio varia entre R$ 4 mil e R$ 5 mil por hectare.

A meta da Aracruz é atingir cerca de 30 mil hectares em Rio Pardo para o plantio de florestas direcionadas à produção de celulose branca.

fonte: Jornal Gazeta do Sul (RS)