Amorim denuncia fundos e quer apurar aplicações de trabalhadores

PTB Notícias 24/03/2010, 8:51


O patrimônio do trabalhador brasileiro está sendo desviado para aplicações duvidosas em empresas e o rombo “como sempre” sendo pago pelo contribuinte, denunciou nesta terça-feira (23/03) o deputado federal Ernandes Amorim (PTB), ao cobrar providências, na tribuna da Câmara, sobre os “buracos” corriqueiros a serem cobertos por conta de aplicações desastrosas de fundos de trabalhadores.

O mais recente, segundo ele, é o caso dos Correios.

A estatal, de acordo com o jornal Folha de São Paulo, terá que assumir um rombo de R$ 1,4 bilhão do seu fundo de pensão o Postalis, por determinação da Previc (ex- Secretaria de Previdência Complementar), sob pena de execução judicial.

Se os Correios não assumir o rombo, o fundo de pensão não terá recursos para honrar as futuras aposentadorias dos seus associados.

O rombo de R$ 1,4 bilhão equivale a quase um terço do patrimônio do Postalis que é cerca de cinco bilhões.

“Se não houver uma intervenção rigorosa e urgente dos órgãos de fiscalização, continuará ocorrendo malversação dos recursos.

É no mínimo inexplicável o silencio desses fundos, dos sindicatos, das instituições como a Caixa, os Correios e a Petrobrás, pois os seus empregados estão sendo lesados e colocando em risco as suas aposentadorias e suas famílias desamparadas.

Creio que é chegado a hora da CPI dos Fundos, pois bilhões de reais estão sendo desviados para fins escusos, que a Policia Federal precisa investigar”, afirma Amorim.

O parlamentar disse que os órgãos de fiscalização tem que estancar essa “sangria” estampada diariamente nos jornais.

“Como das outras denúncias, espero que esta seja apurada, pois essa turma de aloprados, como bem diz o presidente Lula, tem o poder de calar os inquietos e os descontentes com esse mar de lama.

Eu ainda acredito nas instituições do meu País.

Estou certo de que as minhas posturas diante dos desmandos causam furor e promovem retaliações fora do campo do dialogo, usando instituições oficiais para me acusarem com inverdades e infâmias, mas não me calo”, disse.

* Agência Trabalhista de Notícias com informações do Portal Rondônia Dinâmica