Amorim denuncia poder paralelo de ONG´s estrangeiras na Amazônia

PTB Notícias 8/11/2008, 10:07


O Deputado Ernandes Amorim (PTB-RO) denunciou, em discurso no plenário da Câmara, a presença de ONGs estrangeiras na Amazônia, onde, segundo ele, exercem poder paralelo ao do Estado.

“O mais grave é que seus membros estão infiltrados em nossos órgãos ambientais e fundiários.

Prova dessa anunciada invasão é a realização da Reunião Anual do Programa de Meio Ambiente da Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID), na cidade de Porto Velho, tendo como tema principal o desenvolvimento sustentável em regiões nas quais atuam as ONGs internacionais.

Agora, a pergunta que todos os brasileiros querem fazer: o nosso Governo estaria monitorando a atuação dessas organizações? Que beneficio terá o povo da selva? Existe alguma norma ou regulamentação para a realização dessas reuniões em nosso território?”, questionou o Deputado do PTB.

“O cerco está se fechando, de reuniões em reuniões.

Eles estão ancorando seus métodos e pessoal — mais de 1 milhão de agentes estrangeiros circulam em nome de mais de 120 mil ONGs — nos nossos órgãos ambientais, como IBAMA, Instituto Chico Mendes, FUNAI e INCRA, que hoje são meros espectadores dos excessos cometidos por esses agentes infiltrados, que não respeitam os produtores rurais, que invadem as propriedades usando todo tipo de truculência em nome do Governo Federal”, protestou ele.

Ernandes Amorim lembrou que o Decreto nº 6.

514, de 22 de julho de 2008, dispõe sobre as infrações e sanções administrativas ao meio ambiente, estabelece o processo administrativo federal para apuração destas infrações, e dão outras providencias.

Segundo o Deputado, esse decreto não está sendo respeitado pelos agentes, principalmente do IBAMA.

“Eles agem de forma arbitrária, lavrando multas abusivas, de milhões de reais, a pequenas propriedades que não valem 1 milésimo do valor da multa”.

“Estou certo de que o Ministro Carlos Minc, homem ponderado e compromissado com o desenvolvimento sustentável da Amazônia, ao qual já solicitei audiência, não apóia esse tipo de conduta policialesca e extorsiva, que contraria a lógica e a razão.

Fica difícil imaginar o que realmente o Governo quer fazer.

As ONGs, todos sabemos, querem nos expulsar para tomar conta da nossa Amazônia, principalmente do nosso rico subsolo”, afirmou Amorim.

“O problema da Amazônia já extrapola os interesses dos amazônidas: hoje é um clamor nacional, pois saltam aos olhos as ações deletérias dessas organizações internacionais e dos brasileiros que estão a seu serviço, implantando o terror no campo com ameaças constantes de despejo dos agricultores ou com multas em valores tão elevados que tornam a presença dos penalizados inviável em sua própria terra.

Vou continuar, mesmo que sozinho, a clamar por justiça e pelo basta às ações criminosas desses tais agentes que estão a serviço de interesses externos”, concluiu o Parlamentar petebista.

Agência Trabalhista de Notícias