Amorim estimula parlamentares a reagirem contra injustiças da imprensa

PTB Notícias 16/05/2007, 12:05


Ao rebater as críticas do líder da Minoria, deputado Júlio Redecker à criação da TV pública, o deputado Ernandes Amorim, do PTB de Rondônia, criticou em Plenário a imprensa privada brasileira e anunciou ter sido vencedor no processo judicial que moveu contra o jornal Correio Braziliense.

Amorim informou que, por decisão da 5ª Turma Cível do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e da 1ª Câmara Cível, o jornal foi condenado a pagar, por reparação a danos morais, R$ 198 mil.

O deputado Ernandes Amorim informou ainda já ter processado também a Enciclopédia Britânica; o Jornal do Brasil; O Globo, e o Jornal da Tarde.

Segundo ele, a enciclopédia também já foi condenada e os outros processos estão em andamento.

As denúncias foram publicadas em 1995, quando Amorim assumiu o mandato de senador.

Os veículos de comunicação, à época, acusaram o parlamentar de extração ilegal de madeira e de cassiterita em Rondônia.

Amorim disse esperar que seu pronunciamento sirva como exemplo para que outros parlamentares não se calem diante dos maus profissionais da imprensa e vão à Justiça contestar o que não é verdade.

“Os senhores não sabem quanto dói chegar ao lado de um filho, de um amigo, de uma autoridade, que nos olham pensando que somos isso ou aquilo, sem terem oportunidade de saber a verdade”, afirmou o deputado petebista.

Imprensa institucionalEm seu mandato como senador, Amorim ocupou o cargo de quarto-secretário da Mesa, e não havia órgão de imprensa naquela Casa.

Então, segundo ele, foram criados o Jornal do Senado, a TV Senado e a Rádio Senado.

“Após a criação desses órgãos de imprensa, a Justiça foi feita.

E por que não criar a TV Pública para que fatos iguais ao meu, se não quiserem publicá-los, sejam divulgados em outros órgãos?” Passei 12 anos remoendo acusações mentirosas”, defendeu-se, lembrando casos de outros deputados condenados injustamente pela imprensa, como os deputados Alceni Guerra (DEM-PE) e Ibsen Pinheiro (PMDB-RS).

Na opinião do deputado petebista, que informou ter passado por tratamentos contra depressão e síndrome do pânico devido às acusações, as denúncias só ocorreram porque ele assumiu a quarta-secretaria do Senado e era ex-empregado doméstico.

“Minha cruzada contra a injustiça praticada pelos poderosos contra a classe trabalhadora não cessa nunca, pois tenho uma aliança com os injustiçados, que, como eu, são rechaçados pelo poder econômico.

Ao direito de informação exercido pela imprensa corresponde o direito do cidadão de ser corretamente informado”, argumentou Ernandes Amorim.

fonte: Jornal da Câmara