Amorim pede articulação para ajudar pecuária de Rondônia

PTB Notícias 3/09/2007, 14:36


Incentivo ao uso das linhas de crédito disponíveis em bancos oficiais para incremento da pecuária, é o que pretende o deputado federal Ernandes Amorim (PTB/RO).

Principalmente na fase de engorda, para evitar a venda de gado novo – bezerros e vacas sem cria.

O petebista tem mantido uma conversa nesse sentido com o presidente da Assembléia Legislativa de Rondônia, deputado Neodi Oliveira, como forma de sensibilizar os demais parlamentares e com o governador Ivo Cassol, para evitar eventual quebra na pecuária rondoniense em decorrência da liberação da venda de gado novo para outros estados, feita há alguns meses, pelo Governo Federal.

“Rondônia tem um grande plantel – mais de 11 milhões de cabeças – e investimentos no controle da aftosa em rede de frigoríficos, o que faz uma promissora cadeia produtiva, gerando renda, empregos e aumento da arrecadação.

Essa liberação, repito, só tem beneficiado outros Estados e não o produtor nem a nossa economia.

O Governo e os parlamentares podem ajudar com políticas direcionadas ao setor.

Uma questão simples, que pode ajudar é induzir e incentivar o produtor a pegar o dinheiro dos bancos oficiais para ajudar na fase de engorda.

Recurso se tem disponível para isso”, argumenta Amorim.

O deputado já demonstrou a seus colegas na Câmara dos Deputados e ao governador Ivo Cassol, que é viável para o Estado e aos produtores somente a liberação de venda do boi gordo, caso contrário, Rondônia sairá prejudicada com queda na arrecadação do ICMS, desemprego nos 13 frigoríficos instalados no estado, atualmente o maior gerador de postos de trabalho e renda, e aumento da emissão de gases na atmosfera, em decorrência da queima de pastagens sem uso.

“As vendas do gado novo só beneficiam os estados do sul e sudoeste, que pagam cerca de R$ 200,00 por animal aqui e revendem pelo dobro.

Se for para liberar, que seja liberado a venda do boi gordo que vai beneficiar o Estado, os produtores e toda a cadeia produtiva em Rondônia”, manifesta Amorim.

Agência Trabalhista de Notícias (com informações do Rondonotícias)