Anderson Cabido assina decreto para preservação de patrimônio histórico

PTB Notícias 28/07/2011, 10:42


A cidade histórica de Congonhas, na região central de Minas Gerais, passa a multar os veículos que circularem sujos por suas ruas.

O decreto assinado pelo prefeito Anderson Cabido (PTB-MG), que entra em vigor nesta sexta-feira (29/07/2011), tem como objetivo reduzir a poeira misturada ao minério de ferro que se acumulam nas vias do município e se espalham pelo ar.

Na cidade existem quatro jazidas de minério de ferro e os veículos que trabalham nas mineradoras são os responsáveis por trazer a sujeira e dar a Congonhas o título nada agradável de “cidade encardida”, diz a Prefeitura.

Segundo a Prefeitura da cidade, todos os dias são retiradas cinco toneladas de resíduos das ruas, sendo a maior parte lama misturada ao minério de ferro.

Essas partículas metálicas, espalhadas pelo ar, são uma ameaça à saúde dos cerca de 50 mil habitantes.

De acordo com a Prefeitura, o poeirão misturado ao minério de ferro afeta principalmente idosos e crianças, que apresentam maior incidência de problemas respiratórios.

Os veículos que circulam pelas mineradoras trazem o barro impregnado com o minério de ferro nas rodas, nos chassis.

Passam nos quebra-molas e buracos e deixam essa sujeira na cidade.

Além disso, o patrimônio histórico da cidade, composto por peças do artista Antonio Francisco Lisboa – o Aleijadinho – entre elas as esculturas dos 12 profetas, também sofreria danos por causa da poluição.

Aqui em Congonhas o pessoal da limpeza urbana não trabalha com vassouras, mas com pás e enxadas para retirar o barro das ruas – diz o secretário de Desenvolvimento Ambiental de Congonhas, Gabriel Scliar.

Esta não é a primeira medida que Congonhas toma para tentar reduzir o minério de ferro no ar que seus moradores respiram.

Há quatro anos, o tráfego de caminhões foi proibido nas ruas da cidade.

No ano passado, a prefeitura também solicitou ao Ministério Público que entrasse com uma ação para obrigar as mineradoras a instalarem lava-rodas na saída das jazidas.

Isso reduziria a quantidade de barro levada pelos veículos à cidade.

Segundo o secretário, a medida não teve o efeito desejado.

“Sabemos que algumas mineradoras têm o lava-rodas, mas não instalaram por problemas burocráticos.

Agora, a prefeitura decidiu multar aqueles que sujarem a cidade “, diz Scliar.

Principalmente utilitários circulam pelas minas de minério de ferro, mas veículos leves também trazem a sujeira.

O decreto da prefeitura é abrangente sobre quem será multado: – Qualquer veículo com potencial de causar deposição de resíduos sólidos nas ruas – diz o texto.

A fiscalização será feita por agentes municipais e policiais militares.

O secretário Scliar lembra ainda que a sujeira afasta turistas interessados em visitar o patrimônio histórico da cidade, especialmente nessa época mais seca do ano, quando o poeirão se levanta.

“A cidade fica com uma aparência terrível.

É uma cidade encardida “, diz o secretário.

Na guerra contra a poluição, a prefeitura também pretende implantar um sistema online de monitoramento da qualidade do ar da cidade.

Quem desrespeitar o decreto da Prefeitura e circular com o veículo sujo será multado em até R$ 120,00 e perderá cinco pontos na Carteira Nacional de Habilitação (CNH).

Agência Trabalhista de Notícias (PB), com informações do Site OGLOBO