Ano de 2020 termina,com terceiro maior superavit da Balança Comercial

PTB Notícias 5/01/2021, 7:30


Imagem

Conforme dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do Ministério da Economia, divulgados nesta segunda-feira (4/01), o país registrou um superavit comercial de US$ 51 bilhões acumulado durante o ano, dado 6,2% superior aos US$ 48 bilhões contabilizados em 2019, em termos nominais.

Apesar da pandemia pela covid19 ter provocado recessão, com a retração das trocas comerciais, em 9,2%, houve um superávit comercial significativo, em relação aos anos anteriores.

Com isso, a balança comercial brasileira encerrou 2020 no azul, ainda que com resultado abaixo das expectativas do mercado.

Um dos principais produtos das exportações brasileiras, a soja, registrou aumentos de 10,5%, em valor, e de 13% na quantidade, mas queda de 2,2% no preço. O minério de ferro apresentou alta de 16,7% no preço, mas queda de 2% na quantidade e alta de 14,3% no valor exportado.

Estimativa para este ano

A expectativa para 2021, segundo a Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do ME é de que haja um aumento de 5,3% nas exportações brasileiras, para US$ 221,1 bilhões e alta de 5,8% nas importações, para US$ 168,1 bilhões.

Com isso, o saldo comercial estimado é de US$ 53 bilhões, dado 3,9% superior ao resultado de 2020. Essa estimativa está modesta se comparada com a projeção da AEB, que espera um saldo positivo recorde de US$ 69 bilhões.

Herlon Brandão, subsecretário de Inteligência e Estatística de Comércio Exterior do Ministério da Economia, destacou que o resultado “ficou em linha com as previsões do governo”. No entanto, frustrou as projeções do mercado. A Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), por exemplo, estimava um superavit comercial de US$ 51,9 bilhões.

De acordo com Herlon, o aumento da demanda por petróleo com menos enxofre na composição tem contribuído para o aumento das exportações brasileiras do produto, que apresentaram um volume recorde de US$ 19,5 bilhões embarcados para China, Estados Unidos, Índia e Espanha.

Esse superavit comercial é o mesmo registrado em novembro e é o terceiro maior da série histórica, desde 1989.

Foto: Reprodução/SunoResearch