Antonio João prefere pagar o preço de ser oposição no Mato Grosso do Sul

PTB Notícias 12/06/2007, 11:27


O presidente do Diretório Estadual do PTB de Mato Grosso do Sul, o suplente de senador Antonio João Hugo Rodrigues, disse que prefere pagar o preço de ser oposição a fazer acordos políticos só para se aliar à situação com o intuito de usufruir das benesses do poder.

“Era muito mais fácil, para mim, sentar com o governador, fazer o chamado acordo e amansar a minha vida.

Por que eu não faço isto? Pelo senso de responsabilidade.

Eu não me vendo por dinheiro nenhum.

Não sou movido a 30 dinheiros”, afirmou o petebista, durante o encontro regional do PTB na Câmara Municipal de Deodápolis, onde estiveram reunidos os municípios do Vale do Ivinhema.

Antonio João lembrou que por várias vezes fez críticas construtivas ao prefeito de Campo Grande, Nelsinho Trad (PMDB), seu amigo.

“Sou extremamente cioso por Campo Grande.

Quem já não me viu discutindo publicamente questões com o Nelson, que é meu amigo e que já trabalhou nas minhas empresas? Eu discordo dele como cidadão que sou.

Eu tenho este direito”.

No encontro, em que tomaram posse presidentes de sete comissões provisórias municipais, o secretário-geral do partido, Walter Carneiro, disse que os diretórios municipais do PTB terão autonomia e liberdade para decidir como serão feitas as coligações.

Antonio João ponderou que esta liberdade precisa ser exercida com responsabilidade.

“Cada diretório tem que ter a liberdade para fazer as coligações.

O partido não é ditatorial.

Mas acredito que partido também tem que ter lado.

Se todo mundo se amontoar em cima da situação, nós vamos virar pó”, alertou o presidente regional.

Ele destacou que, em um sistema democrático, é necessário existir oposição.

“É como no futebol.

Se você colocar os dois times jogando do mesmo lado, não tem jogo.

Se ficar todo mundo igual, não tem oposição.

Todo partido da situação uma dia foi oposição.

Eu não venho aqui ditar regras para que o partido seja oposição, mas é preciso vocês ficarem atentos para a importância de se fiscalizar, cobrar.

O diretório regional vai ficar atento à coligações que serão construídas”, destacou Antonio João.

fonte: Jornal Correio do Estado (MS)