Após pedido de Amorim, ministro manda investigar cartel do boi

PTB Notícias 5/06/2007, 9:57


O ministro da Agricultura, Reinhold Stephanes, envia nos próximos dias a Rondônia uma equipe técnica para investigar a eventual cartelização do setor de abate de gado (frigorífico).

O comunicado foi repassado ao deputado federal Ernandes Amorim, do PTB rondoniense, em resposta ao pedido de investigação, feito no início da semana, com base em denúncias recebidas pelo parlamentar.

De acordo com a denúncia apresentada por Amorim ao ministro, donos de frigoríficos se dizem ameaçados, sem poder trabalhar, “numa onda de terrorismo”, com fiscalizações excessivas instigadas pelo cartel, e feitas por fiscais da Delegacia Federal da Agricultura, subordinada ao Ministério da Agricultura.

“O ministro nos apresentou uma série de opções para resolver o problema e, de consenso, achamos por bem o envio de técnicos para investigar a denúncia e, conseqüentemente, orientação ao corpo de fiscais para o cumprimento das normas exigidas para funcionamento dos frigoríficos, sem as ameaças reclamadas de fechamento e até de uso da Polícia Federal”, afirma Ernandes Amorim.

Segundo o deputado petebista, as ameaças feitas a mando do cartel visam prejudicar os 13 frigoríficos instalados no Estado, responsáveis pela média de 600 empregos diretos cada, movimentação da economia e da receita estadual.

O envio da equipe ministerial visa também por fim a insubordinação dos fiscais.

“Na qualidade de parlamentar alinhado a base do Governo Federal, mostrei ao ministro a condição de dar apoio ao titular da Delegacia Federal da Agricultura em Rondônia, naquilo que me for permitido”, disse Amorim.

Força contra o cartel Também para evitar a cartelização em Rondônia, prática criminosa presente em outros estados, Amorim foi procurado essa semana, pelo presidente da Associação Brasileira de Frigoríficos (Abrafrigo), Péricles Pessoa Salazar.

Com essa entidade, o parlamentar se comprometeu em discutir um projeto que auxilie o setor de pequenos e médios frigoríficos nacionais a se inserir cada vez mais no ramos das exportações.

fonte: Jornal Diário da Amazônia