Aprovado parecer de Armando Monteiro que cria política para preservar Caatinga

PTB Notícias 21/06/2017, 9:15


Imagem Crédito: Marcos Oliveira/Agência Senado

[vc_row][vc_column][vc_column_text css=”.vc_custom_1498073074668{margin-bottom: 0px !important;}”]A Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado Federal aprovou, na terça-feira (20), parecer do líder do PTB na Casa, Armando Monteiro (PE), ao projeto de lei instituindo a Política de Desenvolvimento Sustentável da Caatinga, que determina como uma das diretrizes das aplicações do Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE) a preservação ambiental do bioma, que será beneficiado, também, por linhas de crédito especiais. O projeto vai agora à votação da Comissão de Meio Ambiente, de onde, se aprovado, seguirá ao exame da Câmara dos Deputados.

“A Política de Desenvolvimento Sustentável da Caatinga servirá para orientar a formulação e implementação de políticas públicas que garantam a atuação articulada entre os organismos públicos e a sociedade para compatibilizar as atividades econômicas e a proteção ambiental”, destacou Armando, em seu parecer.

De autoria do senador Garibaldi Alves Filho (PMDB-RN), o projeto (PLS 222/2016) estabelece que a nova política será a contrapartida ambiental das ações da Sudene e do Banco do Nordeste na elaboração e acompanhamento do Plano de Desenvolvimento Regional do Nordeste.

Ampliação

Armando Monteiro alterou o texto original do projeto ampliando para a pecuária e a silvicultura, além da agricultura, as atividades do semiárido a serem prioritariamente preservadas. A execução da Política de Desenvolvimento Sustentável da Caatinga não cria novas despesas. Seu objetivo é fixar princípios e diretrizes de atuação governamental para disciplinar o uso e proteção dos recursos naturais do bioma.

No parecer ao projeto de lei, o líder do PTB alinha entre as práticas que devem ser apoiadas pelos órgãos federais a pecuária em bases sustentáveis, pelo uso da vegetação nativa como suporte forrageiro, já que a criação de bois é a principal atividade econômica do sertanejo e uma das causas da degradação ambiental do bioma. O senador sugere, ainda, a produção por manejo florestal sustentável da lenha nativa, fonte de energia da indústria cerâmica e de gesso.

A Caatinga abrange cerca de 830 mil quilômetros quadrados, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), estendendo-se por oito estados nordestinos e pequenas extensões do Maranhão e Minas Gerais. Uma das regiões mais sujeitas à desertificação no país, o bioma, que registra Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) baixíssimo e, portanto, elevada vulnerabilidade social, cobre quase 10% do território nacional. É considerado uma das áreas de escassez hídrica mais populosas do mundo.

Com informações da assessoria do senador Armando Monteiro (PE)[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]