Armando Abílio reafirma que PTB só define se adere ao governo em 2012

PTB Notícias 21/03/2011, 13:43


O presidente estadual do PTB da Paraíba, o ex-deputado federal Armando Abílio, afirmou nesta segunda-feira (21/03) que as definições sobre uma adesão ou não ao governo do estado e a prefeitura Municipal de João Pessoa só será concluída em 2012.

Contudo o presidente sinalizou que o partido deve colocar o pé no freio em relação a oposição aos governos socialistas.

“Não, não.

A discussão política ficou para ser feita em 2012.

Esse ano não há eleição.

Em 2012 ficou decidido que o que a maioria decidir a minoria irá cumprir.

O que ficou pactuado para 2011 é que nós iremos trabalhar para o crescimento do partido.

Esse ano nós não iremos abrir a discussão para a posição política.

Até 2012, iremos respeitar a posição política de cada membro do partido.

A decisão colegiada será feita na reunião de 2012, que é um ano político.

Esse ano não é um ano político”, lembrou o ex-deputado.

Sobre uma postura de oposição do partido o presidente disse: “Eu não digo que estaremos na oposição.

O PTB tem companheiros que fazem parte do governo municipal, como Dunga Júnior, e tem outros que fazem parte do governo estadual.

.

.

nós já avançamos e avançamos muito.

Agora vamos trabalhar para o crescimento do partido, inclusive em cima da nova reforma política que será debatida no congresso nacional”, diz.

Questionado se haveria alguma dificuldade para em apoiar o governo de Ricardo Coutinho (PSB).

“Eu não tenho dificuldade de apoiar RC, por isso nunca me manifestei nem a favor nem contra, eu desejo que o governo seja exitoso”, garante.

Reunião – Abílio revelou que se reuniu com vários integrantes do PTB da Paraíba, como Edvaldo Tavares, Tavinho Santos, o prefeito de Sousa, Fábio Tyrone, Bolinha, entre outros quadros.

Durante a reunião, o presidente, inclusive, afirma que chegou a sugerir o seu afastamento da presidência, como solução para a unidade do partido.

Já que as divergências internas fizeram com que o performance do partido em 2010 fosse pífia.

“Para surpresa minha, agradável, a direção nacional não aceitou minha carta de renúncia.

Agora, na mesma hora, pediu para que nós construíssemos a unidade do partido na Paraíba.

Começamos esse trabalho, estivemos com Carlos Dunga e definimos que além da participação dos companheiros, o presidente nacional, Roberto Jefferson, sugeriu que eu me sentasse com o suplente Carlos Dunga”, contou.

Foi a parti dessa reunião entre Dunga e Abílio que ficou definido que as indicações dos membros do partido seriam divididos igualitariamente entre os dois grupos, com seis indicações para cada um e Armando Abílio seria mantido como presidente.

“Já encaminhamos essa nova listagem e acredito que logo após ser formalizada essa nova direção nós iremos iniciar o trabalho para as convenções municipais e a convenção estadual”, assegura.

Agência Trabalhista de Notícias (LL) com informações do Portal Paraíba .

com .

br