Armando Monteiro faz balanço dos oito anos de governo Lula ao Portal iG

PTB Notícias 4/01/2011, 12:41


Em entrevista ao blog do jornalista Guilherme Barros, no site IG ( (http://colunistas.

ig.

com.

br/guilhermebarros) http://colunistas.

ig.

com.

br/guilhermebarros), o senador eleito por Pernambuco diz que diálogo entre o governo e a iniciativa privada é um dos grandes legados que o ex-presidente Lula deixa após seus oito anos de mandato.

Leia a íntegra:”O empresário teve canal permanente com Lula”, diz Armando Monteiro, ex-presidente da CNILíder empresarial mais próximo do governo nos últimos oito anos, Armando Monteiro, ex-presidente da CNI e senador eleito por Pernambuco pelo PTB, vê no presidente Lula características de um grande estadista.

Em entrevista ao iG, ele admite que teve algumas desconfianças no início do governo, mas que logo desapareceram, em razão, principalmente, do comprometimento com os pilares da política macroeconômica.

Segundo Armando Monteiro, o compromisso ficou claro em uma reunião dele com Lula, Antonio Palocci, então ministro da Fazenda, e Henrique Meirelles, presidente do Banco Central.

“Fui reclamar da política monetária [a Selic foi a 26,5% ao ano em fevereiro de 2003] e, em momento algum, Lula deixou de respaldar a decisão do Copom”, contou o empresário.

“A partir daí, passei a imaginar que teríamos um bom governo”.

A seu ver, o diálogo entre o governo e a iniciativa privada é um dos grandes legados que o presidente deixa após seus oito anos de governo.

Como exemplos desta cooperação, Monteiro destaca a criação do Conselho Nacional de Desenvolvimento Industrial, a Lei do Bem, a Nova Lei de Inovação, além de medidas de desoneração do investimento.

Todas estas iniciativas no primeiro mandato de Lula.

“O empresariado teve canais permanentes de diálogo com o governo.

Será um dos grandes legados deixados por Lula a presidente Dilma, sem dúvida”, afirmou Monteiro.

No segundo mandato, Monteiro cita o grupo de acompanhamento da crise, que culminou na criação do Programa de Sustentação do Investimento, no Minha Casa Minha Vida e em outras desonerações, como para materiais de construção, veículos e linha branca.

“Lula foi alguém capaz de governar sem preconceito com o empresariado”, disse.

O empresário, no entanto, cita a falta de reformas estruturais como uma falha do governo.

“Poderíamos ter avançando mais nas reformas tributária, trabalhista e sindical”.

Para ele, junto com a necessidade de investimentos em infraestrutura e atenção a questões como o câmbio e os juros, Dilma Rousseff terá de avançar na agenda das reformas.

“A presidente, que não tem o carisma de Lula, vai ter que se destacar por sua capacidade gerencial, o que pode significar melhorias na agenda das reformas e no microambiente econômico”.

Em relação às comparações do governo Lula com o de Fernando Henrique Cardoso, Monteiro ressalta os diferentes momentos do País sob o comando de cada um.

“O mundo foi diferente.

O governo FHC teve muitos méritos – macroeconomia, estabilidade, responsabilidade fiscal, privatizações bem sucedidas.

Embora em outra conjuntura, o saldo foi positivo.

Mas, acho que Lula pode ousar mais e construir resultados mais expressivos”.

“Lula foi um estadista, na medida em que soube preservar a racionalidade econômica sem esquecer o compromisso com o combate à desigualdade”.

fonte: site do senador eleito Armando Monteiro (PTB-PE)