Arnaldo comenta aposentadoria de meia hora para trabalhador rural

PTB Notícias 11/07/2009, 10:03


O Deputado Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP) comentou, na última semana, em discurso no Plenário, a questão da aposentadoria de meia hora também ser estendida ao trabalhador rural.

“Até agora, essa aposentadoria era apenas para trabalhador urbano.

E, no início do ano, quando foi implementada em razão da Lei Complementar nº 128, aprovada por esta Casa — aqui que foi aprovada essa emenda, mantida de maneira complementar pelo Senado — , garantimos a chamada aposentadoria de meia hora.

Foi um resultado extremamente positivo no primeiro semestre em relação à área urbana, mas estava faltando a área rural, e agora, com essa matéria que tomei conhecimento, está estendida essa situação também à aposentadoria rural”, comemorou o Deputado do PTB.

“A aposentadoria rural tem uma vantagem, ela é por idade, homens aos 60 anos e mulheres aos 55 anos.

São cinco anos a menos do que para o trabalhador urbano, que é aos 65 anos de idade para o homem e de 60 anos para a mulher.

E o tempo de contribuição mínimo é de 15 anos para essa aposentadoria que pode ser obtida através de declaração do sindicato rural local, o que é um avanço bastante importante.

E aqueles que tiverem registro poderão utilizar o CNIS – Cadastro Nacional de Informações Sociais”, informou Arnaldo.

O Deputado petebista lembrou que o CNIS é extremamente importante para o trabalhador: “Lembro-me que houve um tempo em que se exigia a carteira profissional numa batida policial, e ela acabava ficando no bolso, se dilacerava, se prejudicava, muitas foram roubadas, perdidas, e aí então a falta daquele registro impedia a possibilidade de ser requerida a aposentadoria.

Os dados do cadastro no CNIS são extremamente importantes e criam facilidade”.

Segundo Arnaldo, já existe o convênio com o Banco do Brasil para facilitar, através dos correntistas do Banco do Brasil, a disponibilização do CNIS.

Também será disponibilizado o CNIS através da Caixa Econômica Federal.

“O grande sonho de todo trabalhador brasileiro é que acabe esse maldito fator previdenciário.

A luta e a esperança de todos nós é que possamos votar essa matéria o mais rápido possível na Comissão de Finanças e Tributação, mandá-la para a Comissão de Constituição e Justiça e fulminarmos, de vez, essa questão de Fórmula nº 85, Fórmula nº 95, que é tão danosa quanto o fator previdenciário.

Portanto, em defesa do aposentado e do pensionista, estaremos lutando no Congresso Nacional”, concluiu o Parlamentar petebista.

* Agência Trabalhista de Notícias