Arnon Bezerra lamenta falta de incentivo no combate de doenças no Brasil

PTB Notícias 1/12/2007, 9:54


O Deputado Arnon Bezerra (PTB-CE) revelou que não é apenas a falta de retorno financeiro, a única causa para que não se desenvolvam fármacos voltados ao combate das chamadas doenças negligenciadas, típicas de países pobres.

Segundo ele, a questão envolve falhas de saúde pública, de mercado e mesmo da ciência, que não conseguiu desenvolver medicamento de doenças como a malária, típica de países pobres.

“Para se ter uma idéia da dimensão dessa triste realidade, cerca de 90% dos recursos para pesquisa e desenvolvimento no setor de fármacos são destinados para medicamentos contra doenças que atingem apenas 10% da população mundial, como hipertensão e diabetes.

São doenças que atingem quem pode pagar.

É preciso criar mecanismos e sistemas capazes de desenvolver medicamentos voltados aos que não podem pagar.

Para isso, é necessário que haja ações do setor público e do setor filantrópico”, afirmou o Deputado, em discurso no Plenário.

“As empresas privadas não podem fazer caridade, uma vez que elas precisam dar satisfação aos acionistas.

Uma nova droga, desenvolvida pelo setor privado, custa em torno de 1 bilhão de dólares.

Além disso, os testes clínicos são muito demorados.

Perto disso, o orçamento para doenças negligenciadas é muito baixo.

Todas as parcerias existentes atingem apenas a casa dos milhões.

Enquanto isso, a dengue atinge cerca de 50 milhões de pessoas em mais de cem países pobres.

Só no Brasil, 46 mil pessoas morrem anualmente com doenças infecciosas”, complementou.

Segundo o Deputado, só com vontade política, parcerias junto ao setor privado e uma política mais robusta de ciência e tecnologia, o país poderia tornar-se um produtor de medicamentos para essas doenças, melhorando sua infra-estrutura industrial e beneficiando a população com menos recursos.

“Essas doenças são negligenciadas porque as populações atingidas têm pouco poder de pressão.

A importância para o Brasil investir em pesquisas para medicamentos dessas doenças está no fato de que temos uma posição singular: o Brasil é um país em desenvolvimento que é afetado tanto pelas doenças de países pobres como pelas de países ricos”, disse Arnon Bezerra.

O Parlamentar petebista lamentou a falta de incentivo financeiro para combater as chamadas doenças negligenciadas, o que, para ele, é uma postura equivocada, pois o investimento no desenvolvimento de fármacos para essas doenças poderia incentivar o desenvolvimento da indústria farmacêutica, com lucros certos para as empresas com grande impacto humanitário resultante da cura de doenças que afligem as populações pobres do mundo.

“Espero que na área dessas doenças negligenciadas possamos também agir, gerando lucros, obviamente para as indústrias, mas sobretudo aliviando também o sofrimento de tantas pessoas que padecem dessas doenças.

Essa é uma área em que o Brasil, com certeza terá uma posição privilegiada, pois temos estrutura e tecnologia para isso, só faltando um pouco mais de investimento e interesse”, concluiu o Deputado do PTB.

Agência Trabalhista de Notícias