ARTIGO | Ranolfo Vieira Júnior: A esperança que vem da Segurança Pública

Agência Trabalhista de Notícias 15/07/2020, 8:30


Imagem Crédito: Leonardo Prado/Câmara dos Deputados

Neste momento em que a Covid-19 impõe tantas dificuldades aos gaúchos e gaúchas, torna-se ainda mais importante celebrar as boas notícias, que alimentam a esperança para seguirmos em frente. É o que nos proporcionam os indicadores criminais entre janeiro e junho. Se em 2019 alcançamos os menores índices da década, este ano aprofundamos a queda e tivemos um primeiro semestre com reduções recordes na criminalidade.

A começar pela preservação do nosso bem maior: a vida. Tivemos 8,7% menos homicídios que no mesmo período de 2019. Pelo segundo ano seguido, fechamos o semestre com acumulado de vítimas abaixo de 1 mil, o que não ocorria desde 2011. Vidas também foram poupadas pela baixa de 12,8% nos latrocínios.

O resultado tem duas razões. Em primeiro lugar, a abnegação dos operadores de segurança, que mesmo diante das dificuldades vão às ruas diariamente exercer sua missão com excelência. Para maximizar o impacto desse esforço, entra em cena o segundo fator: o planejamento do programa RS Seguro.

Baseado em inteligência, integração e investimento qualificado, o combate ao crime tem foco territorial onde ele mais se faz presente. O acerto da estratégia aparece nos números. Dos 18 municípios priorizados até junho pelo RS Seguro, 10 terminaram o mês sem nenhum homicídio, entre os quais Canoas, Pelotas e Gravataí – terceira, quarta e sexta cidades mais populosas do RS. Em outro ranking, das 10 maiores reduções de homicídio no semestre, oito foram em municípios priorizados pelo programa.

A partir do êxito, vamos ampliar a estratégia, levando em conta o cenário mais recente da criminalidade. O grupo de cidades priorizadas passará, em agosto, de 18 para 23. Dados de Bento Gonçalves, Cruz Alta, Farroupilha, Ijuí e Lajeado serão agregados nas análises da Gestão de Estatística em Segurança (GESeg).

O ciclo mensal também observa delitos patrimoniais, que apresentaram queda generalizada. Roubos a transporte coletivo e ataques a banco caíram pela metade no semestre. Roubos de veículo reduziram 19,8% e, em junho, chegaram ao menor número de casos para o mês desde que a contabilização foi iniciada, em 2002.

Se a pandemia ainda nos sufoca, é com trabalho integrado e gestão inteligente que manteremos a busca por evolução na Segurança Pública, oferecendo aos gaúchos e gaúchas um respiro de tranquilidade e proteção para vencermos essa batalha.

* Ranolfo Vieira Júnior é Vice-governador e Secretário da Segurança Pública do Rio Grande do Sul

Artigo originalmente publicado no portal do Governo do Estado do Rio Grande do Sul em 14/07/2020.