Auricchio participa de homenagem a São Caetano na Câmara Federal

PTB Notícias 6/08/2011, 7:50


A história de São Caetano (SP), seu progresso e sua grandeza – apesar dos 15 quilômetros quadrados – foram exaltados ontem, 5/8, na Câmara Federal, em Brasília, em sessão solene ao aniversário de 134 anos da cidade, comemorados dia 28, iniciativa do deputado Wiliam Dib (PSDB-SP).

O evento teve enredo exatamente como descreve o hino da cidade, de José de Almeida Filho.

A estrofe “No futuro será monumento, O Brasil saberá te eleger”, não poderia ter sido mais feliz.

Foi assim que a Capital se rendeu ao brilho de São Caetano.

A pequena-gigante, como sugere o hino, invadiu o Planalto Central.

A emoção da comitiva de cerca de 50 pessoas – entre secretários municipais, vereadores, integrantes do governo, empresários e outras autoridades – era visível.

Autor da homenagem inédita para o Grande ABC – nenhum município teve a honraria oferecida no Congresso -, Dib ressaltou que o município é o “maior e melhor” do País em qualidade de vida.

“Um exemplo para todos nós, políticos do Brasil.

São 134 anos de história, 63 anos de emancipação política, e cada vez mais digna e humana para todos.

” O “exemplo de teu vigor” citado no hino também esteve no discurso do tucano.

“A cidade poderia estar dormindo nos louros da glória e deixar as coisas acontecerem naturalmente.

Mas temos um prefeito dinâmico, com uma equipe dinâmica, que constroem os avanços”, discorreu o deputado.

Em seu pronunciamento, em tom estadista, o chefe do Executivo, José Auricchio Júnior (PTB), citou cada um dos nove comandantes de São Caetano, uma menção aos “heróis que souberam te erguer”, como poetizou José de Almeida Filho em seu texto.

“É um momento de emoção que nos contagia.

Se pudéssemos fazer retrospectiva de nossos antepassados, todos estariam orgulhosos.

É uma população que soube buscar seu destino de desenvolvimento, migrando da indústria cerâmica (do passado) à vital indústria automobilística (do presente)”, frisou Auricchio.

Do passado, que “nos resta a lembrança”, como versa o hino, o petebista divagou sobre a crise financeira pela qual o País passou nos anos 1980 e início dos 1990, que também atingiu São Caetano, mesmo sendo a “jóia rara”, lapidada em um século e três décadas, do território tupiniquim.

“A cidade quase sucumbiu, mas houve o resgate do desenvolvimento – com mudanças na política econômica”, considerou.

O prefeito enfatizou os investimentos em Saúde, Educação e Social de sua gestão – está desde 2005 à frente do Palácio da Cerâmica.

“Investimos quase ¼ do Orçamento em Saúde.

Temos a menor taxa de mortalidade infantil do Brasil (.

.

.

) Na Educação, temos uma rede sólida e de altíssimo valor para nossos filhos (.

.

.

) Mas faltava a atenção àqueles que não eram reconhecidos, que estavam à margem dos avanços de nossa história exposta aqui.

Então lançamos programa para famílias de baixa renda e a terceira idade.

Trouxemos cerca de 15 mil pessoas que tinham algum grau de dificuldade para dentro do processo de cidadania e dignidade, com o projeto de transferência direta de renda (Profamília).

” Para os próximos anos, o desafio de São Caetano, segundo Auricchio, é manter o patamar de excelência em serviços públicos.

“Não adianta ter ciclos de desenvolvimento e depois de estagnação.

A cidade tem de se planejar para não ter solavancos, tem de ter desenvolvimento perene.

Para isso, é preciso financiamento competente, que está ligado a uma política arrecadatória fiscal que seja justa e eficiente.

É o que temos buscado”, analisou Auricchio, que anunciará nos próximos dias política pública para garantir a manutenção das indústrias no município e ao mesmo tempo atrair novos negócios para São Caetano.

Já que “tu tens que crescer”, ensina o hino.

Agência Trabalhista de Notícias (LL) com informações do Portal Diário do Grande ABC