Auricchio pretende implantar VLT para facilitar integração a passageiros

PTB Notícias 4/01/2009, 9:12


O prefeito de São Caetano do Sul, o petebista José Auricchio Jr.

, planeja investir em um tipo de veículo inédito no Grande ABC para facilitar o acesso dos moradores à futura estação Tamanduateí do Metrô a ser inaugurada em 2010, na cidade de São Paulo.

Trata-se de um VLT (Veículo Leve sobre Trilhos), uma espécie de fura-fila de média capacidade que deverá percorrer quatro quilômetros.

No projeto, o equipamento sairia da região do bairro Mauá.

A ideia é que o VLT passe sobre o Ribeirão dos Meninos, seguindo pela Avenida Guido Aliberti até alcançar a rede ferroviária, no Centro.

O trajeto, próximo às avenidas Lauro Gomes e Doutor Rudge Ramos, em São Bernardo, facilitaria também o acesso da população do município vizinho à nova estação do metrô que será a mais próxima ao Grande ABC.

O VLT se interligaria com os sistemas operados pela EMTU (Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos) na Zona Sul de Diadema e Zona Leste de São Bernardo, formando uma espécie de corredor.

Contudo, a implantação do VLT, bem como o caminho que ele deverá percorrer, são ainda ideias embrionárias.

A própria prefeitura reconhece que é preciso avançar no projeto.

“Ainda não há estudos, mas essa é uma solução boa”, disse o prefeito José Auricchio Júnior.

De acordo com ele, a integração do município ao metrô foi uma sugestão do governador José Serra (PSDB), que pediu para que o líder do Executivo em São Caetano conversasse com o secretário de Transportes Metropolitanos, José Luiz Portella, sobre a possibilidade de ligar o centro da cidade até o Tamanduateí.

As conversações devem começar ainda este mês.

“Essa é uma obra de caráter metropolitano.

O Plano Diretor do Metrô não prevê a saída desse transporte da Capital para outras cidades, como ocorre em outros países.

Enquanto isso, vamos trabalhar com o conceito de integração”, afirma o prefeito Auricchio.

Como o novo veículo deverá também percorrer a Capital, uma parceria tripartite entre ambas prefeituras e governo do Estado poderá ocorrer.

Na pauta de discussões sobre o possível novo modal de transporte na região estão ainda o preço da tarifa, a quantidade de passageiros que o VLT deverá atender e os custos de implantação do pequeno trem.

“A integração por VLT é real, porque tem capacidade grande de transporte, a baixo custo, com eficiência muito grande”, garantiu, de antemão, Auricchio.

Seria o segundo VLT do País.

O primeiro opera em Brasília e o segundo está sendo implantado na Baixada Santista.

Governo estadual investe em metrô leve na Baixada SantistaA circulação de VLTs (Veículos Leves sobres Trilhos) é vista com bons olhos pelo governo estadual que deve concretizar a implementação desse metrô de média capacidade, na Baixada Santista, em 2010.

Em novembro passado, oito empresas entregaram propostas de preços para o processo de licitação do projeto que servirá 14 quilômetros da região praiana.

A chegada do VLT em parte do Litoral faz parte do Plano de Expansão dos Transportes do Governo do Estado de São Paulo e deve entrar em testes no próximo ano.

A fase inicial está orçada em R$ 640 milhões, porém, leva em conta gastos com um corredor de linhas de ônibus alimentadoras do sistema sobre trilhos.

Na Baixada Santista, cada VLT terá capacidade para 356 passageiros, podendo desenvolver 60km/h em via segregada e 30km/h nas travessias de ruas e avenidas.

Esse tipo de veículo é elogiado por especialistas como um tipo de transporte moderno, eficaz, silencioso e não-poluente.

“No caso de São Caetano, o custo-benefício deve ser bem estudado, pois, o trajeto é curto.

Nesse caso, linhas de ônibus integradas ao VLT devem ser criadas também”, disse o engenheiro de tráfego Arnaldo Souza.

fonte: Jornal Diário do Grande ABC