Bejani lança projeto de resgate da memória de Juiz de Fora nas escolas

PTB Notícias 10/09/2007, 8:57


O uso das práticas de leitura e escrita, as ferramentas da internet e os relatos de histórias vivenciadas por pessoas de várias comunidades de Juiz de Fora vão nortear as atividades do projeto “Memória Local na Escola”, lançado pelo prefeito de Juiz de Fora, Alberto Bejani (PTB/MG), na última quinta-feira (06/09), no auditório do Centro de Formação do Professor.

A iniciativa é uma parceria da Prefeitura de Juiz de Fora/Secretaria de Educação, Grupo Votorantim, Museu da Pessoa e Instituto Avisalá.

O projeto Memória Local na Escola é uma ação desenvolvida junto aos alunos de 1ª a 4ª séries de 15 escolas da rede municipal de ensino de Juiz de Fora.

A iniciativa visa a contribuir com o desenvolvimento da memória local de comunidades e cidades, por meio da realização de um projeto de formação de professores, coordenadores pedagógicos e alunos no desenvolvimento de projetos de memória com ênfase nas práticas de leitura e escrita.

Para o prefeito Alberto Bejani, o projeto só reforça a vanguarda do município no que diz respeito aos momentos históricos de nosso país.

“O que vamos produzir com essa iniciativa vai fazer com que nossa história permaneça viva na memória de cada cidadão.

Com certeza vamos descobrir fatos curiosos que vão extrapolar as fronteiras dos bairros, da cidade, e até, quem sabe, do país.

“Em seu discurso, o gerente geral da Votorantim Metais, Antônio Eymard Rigobello, destacou a importância de valorizar a memória da comunidade e incentivar os alunos a resgatá-la.

“Não podemos deixar as pessoas que fizeram parte da história de suas comunidades se perderem ao longo do tempo.

Toda história de vida tem valor e é isso que vamos resgatar com esse projeto.

“Os alunos, orientados pelos professores de História e por técnicos treinados pela equipe do projeto, vão desenvolver projetos de memória oral com o registro da história da comunidade contada por seus moradores, contribuindo para sua valorização pessoal, cultural e comunitária.

A inclusão digital também é uma das premissas dos trabalhos, uma vez que os participantes serão estimulados a utilizar o computador para a produção de história, pesquisa e comunicação, além de contribuir para a ampliação do conteúdo de Língua Portuguesa através da internet.

Participam do projeto as escolas municipais Amélia Mascarenhas (São Bernardo), Álvaro Lins (São Judas Tadeu), Áurea Bicalho (Linhares), Áurea Nardelli (Vila Esperança II), Belmira Duarte Dias (JK), CAIC Núbia (Santa Cruz), Carlos Drummond de Andrade (Nova Era II), Cecília Meireles (Nova Era), Cosette de Alencar (Santa Catarina/Centro), Dilermando Cruz Filho (Vila Ideal), Fernão Dias Paes (Bandeirantes), João Panisset (Progresso), Oscar Schmidt (Santa Rita), Oswaldo Veloso (Santa Luzia) e Raymundo Hargreaves (Bom Jardim).

Agência Trabalhista de Notícias (com informações da PJF)