Bolsonaro e o PTB repudiam adoção da linguagem neutra na Argentina e tentativa de implantação também no Brasil

PTB Notícias 9/08/2022, 15:29


Imagem

Em suas redes sociais, o presidente Jair Bolsonaro disse, em postagem recente, que lamentava a oficialização do uso de linguagem neutra pela Argentina. “No que isso ajuda o seu povo? A única mudança provocada é que agora há ‘desabastecimente’, ‘pobreze’ e ‘desempregue’”, escreveu o presidente Bolsonaro, referindo-se à crise pela qual passa o país vizinho. “Que Deus proteja os nossos irmãos argentinos e os ajude a sair dessa difícil situação”, completou o presidente.

A norma sobre a qual o presidente se referiu foi a decisão tomada pelo Ministério de Obras Públicas da Argentina, que oficializou o uso da linguagem inclusiva em documentos oficiais da pasta. A decisão consta em edição do Diário Oficial do país, publicada há algumas semanas pelo governo peronista/esquerdista. Segundo o governo argentino, o objetivo é “alcançar a igualdade de gênero e empoderar mulheres e meninas por meio da redução de atos discriminatórios”. O governo confirmou alinhamento à agenda da ONU.

O Ministério de Obras Públicas da Argentina defende ainda a “necessidade dos Estados” do País de “adotar todas as medidas legislativas e outras para proibir e eliminar a discriminação com base na orientação sexual e na identidade de gênero nas esferas pública e privada”.

O presidente Bolsonaro prosseguiu suas postagens nas redes dizendo que iniciativas semelhantes também acontecem no Brasil, onde, segundo ele, a esquerda também parece obcecada em destruir nossos símbolos nacionais. “Na verdade, essa é apenas mais uma forma de dividir o país, desrespeitando a sua cultura e suas tradições. Respeito se conquista com caráter, com trabalho, com valores, não com essas baboseiras”, afirmou Bolsonaro.

O PTB há alguns anos está firmemente engajado na luta contra a tentativa da esquerda de implantar a linguagem neutra no Brasil. O partido inclusive ingressou no STF com solicitação para atuar como amicus curiae nos autos da Ação Direta de Inconstitucionalidade 6925, interposta pelo PT para anular a decisão do governador de Santa Catarina, Carlos Moisés, que proibiu o uso de linguagem neutra de gênero nas escolas e nos órgãos públicos do estado. O PTB pediu para participar da ação com objetivo de defender a decisão do governador catarinense. O PTB apresentou argumentos para impedir que prevalecesse a posição do PT favorável à linguagem neutra, e para que o STF mantivesse o decreto do governador de Santa Catarina.

Também nos estados, parlamentares e dirigentes petebistas tomaram iniciativas para impedir o avanço da linguagem neutra. Foi o caso do projeto apresentado pelo presidente estadual do PTB do Rio de Janeiro, deputado Marcus Vinícius. O deputado apresentou um projeto de lei contra a utilização da chamada linguagem neutra no sistema de ensino do estado, seja público ou privado.

“Sem nenhum embasamento, sem nenhum debate, sem nenhum estudo para a alteração gramatical, estão tentando modificar à força a língua portuguesa. O que é uma verdadeira afronta à Carta Magma e ao Estatuto da Educação do Estado”, justificou o parlamentar petebista.

Essa foi mais uma ação do partido para proteger a família brasileira. Para o deputado Marcus Vinícius, preservar a língua nacional é uma causa de todos os conservadores e patriotas. “Há um clamor na sociedade contra essa invenção chamada ‘linguagem neutra’, que nada mais é que parte da agenda sobre ideologia de gênero. Somos contra qualquer forma que subtraia os artigos femininos e masculinos”, afirmou o presidente do Diretório do Rio de Janeiro.