Bosco da Federal confirma intenção de disputar Prefeitura de Porto Velho

PTB Notícias 25/02/2012, 8:16


O ex-vereador de Porto Velho (RO), Bosco da Federal (PTB), foi o entrevistado desta sexta-feira (24/02), do programa A Voz do Povo, apresentado na rádio Cultura FM 107,9e.

Bosco da Federal iniciou a entrevista comentando sobre a situação da capital.

“De uma forma geral, precisamos avaliar a situação em que se encontra e o que precisa a capital.

É uma das capitais que mais recebe recursos, que mais arrecada e recebe investimentos públicos e privados.

Temos um PIB hoje superior ao de Curitiba (PR).

É uma cidade que a União centraliza ações para o seu crescimento.

A gestão municipal poderia ter realizado mais e tornado a cidade melhor do que é.

A população espera e merece muito mais”, disse ele.

Bosco lamentou que, apesar de ter um PIB maior do que o de Curitiba, Porto Velho continua com sérios problemas e desafios.

“Faltam investimentos.

O próximo gestor vai ter que agir com transparência e ética, para dar qualidade de vida à população.

Ou seja, cresceu economicamente, mas não há atendimento a contento à sociedade”.

Bosco da Federal ocupou a vaga de vereador, por duas vezes diferentes.

“Fui vereador por duas vezes, ficando, no total, menos de 100 dias.

Nesse tempo, integrei a Comissão que acompanha as obras de compensações das usinas do Madeira.

A Câmara precisa acompanhar de perto todas as obras, com articulação com os órgãos de controle”, observou.

Sobre uma eventual pré-candidatura, Bosco da Federal disse que “queremos quebrar o paradigma de que é preciso dinheiro para ser eleito prefeito.

Quero somar com a sociedade e com outros partidos, para juntos construirmos uma alternativa de Governo”.

Segundo ele, “o que for bom, pode ser continuado e melhorado, mas podemos e devemos mudar o que não for de acordo com os nossos princípios”.

Com uma atuação voltada aos distritos, ele lamentou o abandono dessas regiões.

“Na Ponta do Abunã e no Baixo Madeira, são muitos problemas que essa população enfrenta, sem apoio do poder público.

É preciso a presença governamental, para garantir atendimento em saúde, educação, água tratada, coleta de lixo e outros serviços básicos”, ressaltou.

Agência Trabalhista de Notícias (LL) com informações do Portal Notícias de Rondônia