Brasil destaca números que revelam a evolução da violência contra a mulher

PTB Notícias 12/12/2013, 12:41


Como parte das iniciativas destacadas pelo PTB Mulher, na campanha dos 16 dias de ativismo pela conscientização sobre a violência contra a mulher, a presidente nacional do movimento petebista, Cristiane Brasil, afirmou nesta quinta-feira (12/12/2013) que a sociedade brasileira precisa prestar maior atenção aos dados constantes do Mapa da Violência.

O estudo, realizado pelo Centro Brasileiro de Estudos Latino-Americanos (Cebela), em parceria com a Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais (Flacso), traça um amplo panorama da evolução da violência no Brasil, e expõe em números a realidade do aumento do número de homicídios de mulheres.

“Os números alarmantes da violência contra a mulher, revelados pelo Mapa da Violência apresentado ainda no primeiro semestre deste ano, não podem ser esquecidos.

Vemos que as mulheres têm cada vez mais a consciência de que é preciso que haja uma forte intervenção do Estado para resolver o problema da violência de gênero.

As agressões à mulher são uma questão de Estado, que necessita, cada vez mais, atuar no imediato enfrentamento deste problema e de executar políticas públicas eficientes.

O Mapa da Violência 2013 nos mostra que é alto o risco que corre a mulher no Brasil, e portanto, não dá mais para esperar que a situação mude apenas pela conscientização e o livre arbítrio das pessoas.

Homens matam mulheres por livre arbítrio, e portanto devem ser refreados pela mão pesada da lei e da ordem.

“, afirmou Cristiane.

Os números a que se refere a presidente do PTB Mulher foram divulgados pelo sociólogo Julio Jacobo Waiselfisz, que liderou a confecção do estudo Mapa da Violência.

De acordo com os resultados do Mapa, o Brasil tem hoje a 7ª maior taxa de homicídios femininos: são 4,4 assassinatos, ou feminicídios, em cada 100 mil mulheres, índice pior do que os de outros 77 países do ranking.

O Brasil só não tem mais morte de mulheres do que El Salvador, Trinidad e Tobago, Guatemala, Rússia, Colômbia e Belize.

Outro número que, segundo Cristiane Brasil, causa espanto e revolta é o que mostra que, entre os anos de 1980 a 2010, o número de mulheres assassinadas por ano mais do que triplicou, passando de 1353 em 1980 para 4465 em 2010.

A diferença revela um aumento de mais de 250% na quantidade de assassinatos no país no período de 30 anos.

A presidente do PTB Mulher também destaca outro dado igualmente aterrador: em 2011, mais de 70 mil mulheres vítimas de violência foram atendidas no SUS, e em 89,6% desses casos, a violência foi cometida por pais, padrastos ou irmãos das mulheres.

“O Mapa da Violência mostra que a realidade atual no Brasil ainda é triste e constrangedora para as mulheres.

É certo que temos avanços, como o próprio fato de estarem sendo feitas pesquisas sobre o mundo feminino, das suas aspirações e dos problemas que enfrenta, como a violência e o desrespeito.

Mas ainda estamos longe das soluções que nós, mulheres, precisamos, para deixarmos de ser vítimas da brutalidade.

É preciso denunciar mais, é preciso levar essa grave ferida para além da porta de casa.

Este é um problema que o Estado precisa intervir para solucionar”, defendeu Cristiane.

Agência Trabalhista de Notícias (Eduardo Ladeira)Foto: J.

R Neto