Campos Machado acredita que Marlene surpreenderá na disputa ao Senado

PTB Notícias 21/07/2014, 8:08


Presidente paulista do PTB, o deputado estadual Campos Machado considera o cenário eleitoral da disputa pela vaga de São Paulo no Senado favorável à sua sigla.

O petebista acredita que a candidatura de Marlene Campos Machado (PTB) poderá surpreender os dois principais nomes no pleito e velhos conhecidos do eleitorado: o senador Eduardo Suplicy (PT) e o ex-governador José Serra (PSDB).

“Não sou profeta, mas me atrevo a profetizar.

Essa eleição para o Senado não está nada definido.

Imagina-se que a candidatura da Marlene Campos Machado poderia ser só ponta de lança para eleições futuras, mas hoje já começo pensar que pode ser diferente.

É por isso que estou acelerando o trabalho dela, que é independente ao meu”, avalia.

Para o petebista, as manifestações de junho e julho do ano passado indicaram que a população está preocupada em defender direitos femininos e busca nomes novos para guiar os rumos da política nacional.

Por conta disso, Campos Machado aposta que Marlene será surpresa nos indicadores de intenções de voto.

Pesquisa divulgada na quinta-feira pelo Datafolha mostra Serra com 34% da preferência e Suplicy com 29%.

“Marlene aparece com 2% nas pesquisas sem nenhuma publicidade”, comenta o deputado, destacando rejeição dos adversários.

Apesar de não figurar na coligação que defende a reeleição do governador Geraldo Alckmin (PSDB), o petebista garante que estará ao lado do tucano.

Campos Machado também adianta que correligionários do Grande ABC vão atuar na eleição.

RecadosDestacando o princípio de lealdade como forte do PTB, Campos Machado faz cobranças a petebistas da região.

O líder paulista reclama da falta de declarações de apoio do diretório de Rio Grande da Serra, onde a sigla é representada pela vice-prefeita Marilza de Oliveira e pelo vereador João Mineiro.

“Não vamos tolerar omissão.

Se estiverem descontentes podem deixar o partido, mas deixarão os mandatos.

“O deputado também reclamou da postura do prefeito de Diadema, Lauro Michels (PV), que não tem contribuído com a candidatura de sua vice à Câmara Federal, a petebista Silvana Guarnieri.

“Até agora o prefeito não apresentou lealdade a sua vice.

Qualquer agressão a Silvana é uma agressão a mim.

Ela não está sozinha.

“Campos também alerta petebistas descontentes com apoio dado pela sigla a Alckmin e Aécio Neves, presidenciável do PSDB.

“A porta estará aberta.

Se não saírem porque querem, alguém vai empurrá-los.

” Agência Trabalhista de Notícias (LL), com informações do portal Diário do Grande ABC Foto: Marina Brandão/Diário do Grande ABC