Campos Machado repudia racismo de juíza e pede investigação de conduta

PTB Notícias 17/08/2020, 7:23


Imagem

O secretário-geral do PTB e presidente do partido em São Paulo, deputado estadual Campos Machado, manifestou seu repúdio em relação à conduta da juíza Inês Marchalek Zarpelon, da 1ª Vara Criminal de Curitiba, que mencionou a “raça” do réu como atributo condenatório, em uma sentença em que condena sete pessoas por organização criminosa.

De acordo com a sentença por ela proferida, o réu merecia a condenação por “seguramente ser integrante do grupo criminoso, em razão da sua raça, agindo de forma extremamente discreta nos delitos e o seu comportamento, juntamente com os demais, causavam o desassossego e a desesperança da população”.

Para Campos, que é líder e criador de uma campanha do PTB Afro, departamento temático do PTB paulista, contra o preconceito racial, “este tipo de conduta é hedionda, não se pode tolerar que uma representante de Lei aja desta forma criminosa, o que só é mais uma prova de que este terrível mal, que é o racismo, deve ser combatido com todas as nossas forças, para que seja extirpado de uma vez por todas… pois o que define as pessoas não é sua cor da pele, mas sim o seu caráter”

Campos destacou, ainda, que já realizou uma Moção de Repúdio, na Assembleia Legislativa de São Paulo, e está oficiando ao CNJ, “para que investiguem essa inadmissível conduta da magistrada em questão”.

A campanha do PTB Afro, lançada nos últimos dias, permanece em curso em todo o país, obtendo o apoio das mais destacadas lideranças e organizações que se dedicam ao combate ao racismo.

Com informações da assessoria do deputado Campos Machado (PTB-SP)