Canziani é reconduzido à presidência da Frente Parlamentar da Educação

PTB Notícias 16/04/2015, 17:13


Com a presença do ministro da Educação, Renato Janine Ribeiro, foi relançada nesta quinta-feira (16/4/2015), na Câmara, a Frente Parlamentar Mista da Educação.

O colegiado vai contar com 247 deputados e quatro senadores.

Reconduzido à presidência da frente, o deputado Alex Canziani (PTB-PR) afirma que, entre as prioridades do grupo estão a implantação do Plano Nacional da Educação (PNE) e a universalização do piso do professor, que ainda não é aplicado em todos os municípios.

Canziani também defende um reforço de recursos para a educação básica, embora o país esteja passando por uma fase de cortes orçamentários.

Segundo o trabalhista, é preciso ainda estimular a formação de professores.

“Quando nós pegamos as pesquisas com quem está no ensino médio, um pequeno percentual imagina ser professor.

Mais do que isso.

A sua família muitas vezes é contra aquele jovem que fala que quer ser professor.

E nós temos que mudar essa visão”, observa.

Para o parlamentar, é preciso “mostrar a importância que o professor tem para a sociedade.

Nós temos que valorizar a carreira de professor, nós temos que ter uma carreira que seja atrativa.

Temos que fazer com que efetivamente aqueles que sejam melhores talentos se interessem pela educação brasileira”.

Avaliação do ensino superiorO ministro Renato Janine Ribeiro disse que a sua prioridade legislativa é a aprovação do projeto de lei 4372/12, que cria o Instituto Nacional de Supervisão e Avaliação da Educação Superior (Insaes).

“A criação de um órgão autônomo que possa examinar os pleitos, pedidos, as propostas das instituições privadas de ensino que queiram criar os seus cursos.

Isso é muito importante porque desta maneira será possível agilizar a proposta”, ressaltou.

“Isso é importante porque, quando uma instituição privada monta um curso, ela investe todo um capital.

Ela mobiliza e imobiliza dinheiro, gente, laboratórios, bibliotecas.

.

.

E enquanto isso não é aprovado, isso não está sendo utilizado.

O que significa um custo que acaba sendo repassado aos alunos sob forma de mensalidades mais altas”, acrescentou.

UrgênciaO projeto que cria o Insaes já tem urgência aprovada pelo plenário da Câmara.

Agência Trabalhista de Notícias (FM), com informações da Agência Câmara NotíciasFoto: Lucio Bernardo Jr.

/Câmara dos Deputados