Célia comemora condenação dos cinco acusados pela morte de Ceci Cunha

PTB Notícias 20/01/2012, 18:53


Foram mais de 13 anos de espera por um veredicto, mas às 7h30 desta quinta-feira (19/01/2012) o Tribunal Federal em Maceió (AL) decidiu pela condenação dos acusados em matar a tiros a ex-deputada federal Ceci Cunha e mais três parentes dela.

O primeiro suplente dela, o ex-deputado Talvane Albuquerque, foi condenado a mais de 100 anos de prisão.

Os outros quatro acusados pelo crime que ficou conhecido como “Chacina da Gruta” também foram considerados culpados.

A defesa dos réus já recorreu da sentença.

Amiga de Ceci Cunha, a deputada federal Célia Rocha, do PTB de Alagoas, acompanhou todo o julgamento em Maceió e comemorou muito o resultado.

Para a parlamentar, a condenação do ex-deputado Talvane Albuquerque representa um avanço no combate a um crime comum em Alagoas, o chamado “crime de mando”, em que uma pessoa contrata outra para matar alguém.

“Alagoas é manchado pelo “crime de mando”, e isso, inclusive, foi frase de um discurso da Ceci se referindo aos crimes de mando que aconteciam no estado, e ela acabou sendo vítima de um crime desses.

Mas eu acho que significa isso.

Primeiro, começar a esse estado de Alagoas que tem essa mancha dentro do Brasil, mostrar que a justiça pode ser feita com critérios, em cima de provas consistentes e contundentes como foram as que levaram a acusação e ao indiciamento, enfim, esse resultado de hoje desses acusados”, disse Célia Rocha.

Crime punidoA petebista comentou ainda que ficou surpresa com a coragem do juiz em determinar a prisão preventiva imediata dos condenados, avaliando a alta periculosidade que eles oferecem à sociedade.

Segundo Célia Rocha, a acusação teve atuação perfeita em deixar claro para o júri popular todos os passos do planejamento e da execução do crime.

“A acusação conseguiu todas as ligações telefônicas que ocorreram entre os dois carros, que acompanharam a deputada Ceci [no dia do crime], e o ex-deputado Talvane Albuquerque”, afirmou a deputada.

Com as ligações, segundo a petebista, ficou comprovado que o ex-deputado comandou toda a ação.

O casoCeci Cunha foi professora, médica e vereadora do município de Arapiraca, no agreste alagoano.

Ela foi reeleita deputada federal, diplomada, mas não chegou tomar posse no segundo mandato.

O assassinato ocorreu antes disso.

Além de Ceci, foram executados na época o marido, a sogra e o cunhado dela.

Sobreviveram apenas uma criança recém-nascida e a irmã da deputada, uma das testemunhas do caso.

Os crimes foram cometidos a mando de Talvane Albuquerque, suplente na coligação que elegeu Ceci Cunha, com o objetivo de assumir o mandato da deputada.

Depois de assumir a vaga, ele acabou tendo seu mandato cassado pela Câmara em 1999.

Agência Trabalhista de Notícias (FM), com informações da TV e da Rádio CâmaraFoto: Gustavo Lima/ Arquivo-Agência Câmara de Notícias