Celso Amorim apóia proposta de Collor para realização no Brasil da Rio+20

PTB Notícias 30/03/2007, 10:44


O governo federal poderá adotar a proposta – defendida pelo senador Fernando Collor, do PTB de Alagoas – de realização em 2012, no Brasil, de uma nova conferência internacional de meio ambiente, a Rio+20, segundo afirmou nesta quinta-feira (29) o ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim.

Em audiência na Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional (CRE), o ministro demonstrou preocupação, no entanto, com a sugestão de se criar uma agência internacional de meio ambiente, que seria localizada no país.

– Poucos países terão a credibilidade e a legitimidade do Brasil para atrair uma conferência como essa – disse Amorim, em resposta a questionamento apresentado, logo no início da reunião, pelo senador Inácio Arruda (PCdoB-CE), autor do requerimento de realização da audiência pública.

Além de proporcionar uma oportunidade para se rediscutirem os maiores temas da agenda mundial na área de meio ambiente, segundo recordou o senador Fernando Collor, a Conferência Rio+20 também abriria a possibilidade de revisão das atuais metas de redução da emissão de gases do efeito estufa.

As metas em vigor, estabelecidas no Protocolo de Kyoto, vencem justamente em 2012.

Logo após apresentar seu apoio à Rio+20, o senador Aloizio Mercadante (PT-SP) defendeu a transformação do atual Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma) em uma agência da Organização das Nações Unidas (ONU), com sede no Brasil.

A seu ver, a agência poderia contar com recursos de US$ 100 bilhões, provenientes do recolhimento de 1% sobre as importações realizadas em todo o mundo.

Logo após apresentar seu apoio à Rio+20, o senador Aloizio Mercadante (PT-SP) defendeu a transformação do atual Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma) em uma agência da Organização das Nações Unidas (ONU), com sede no Brasil.

A seu ver, a agência poderia contar com recursos de US$ 100 bilhões, provenientes do recolhimento de 1% sobre as importações realizadas em todo o mundo.

Em resposta, Amorim disse que o governo brasileiro pode aceitar a criação da agência, desde que ela cuide tanto do meio ambiente como do desenvolvimento.

– Não podemos abrir mão desse ganho conceitual – justificou Amorim.

O ministro defendeu, porém, a manutenção na África da sede do Pnuma ou da agência que vier a substituí-lo.

– Retirá-lo de lá seria um desserviço a um continente que precisa de apoio – afirmou.

O senador Fernando Collor (PTB-AL) também se pronunciou sobre o tema ao final da audiência, ponderando que algum outro órgão internacional poderia ser instalado na África, em compensação pela perda da organização ligada ao meio ambiente.

Amorim admitiu então rever sua posição, se for encontrada uma compensação para o continente africano.

fonte: Agência Senado