Collor critica burocracia e cobra investimentos em infraestrutura

PTB Notícias 31/03/2014, 19:43


Ao comentar os resultados do 1º Fórum Nacional de Infraestrutura, o senador Fernando Collor (PTB-AL) reconheceu que é muito complexo o processo da busca por soluções para os problemas crônicos que o país enfrenta.

Em pronunciamento no plenário do Senado, nesta segunda-feira (31/3/2014), Collor criticou a burocracia e destacou que o chamado custo Brasil apenas reflete as deficiências do país.

De acordo com o senador, a demanda por serviços vem aumentando.

Assim, rodovias, portos, mobilidade urbana, saneamento básico e matriz energética são setores que precisam de investimentos urgentes.

“Sem transporte, a economia não anda.

Sem energia e combustível, ela se apaga e para.

Da mesma forma que sem telecomunicações, ela se cala.

E sem saneamento, ela adoece”, alertou o parlamentar.

Para Fernando Collor, é possível perceber que o Brasil avança, a despeito de todas as dificuldades mas, ressalta, “a organização político-administrativa, aliada ao seu infinito arcabouço legal, prejudica qualquer tentativa de uma boa gestão”.

“O Brasil carece, acima de tudo, de bom senso, razoabilidade e realismo em praticamente todas as áreas da administração pública, a começar pelos setores de licenciamento, fiscalização e controle, que não raro têm trazido enormes prejuízos ao país com a sistemática paralisação quando não o impedimento de obras importantes para a infraestrutura”, afirmou.

Fórum NacionalO 1º Fórum Nacional de Infraestrutura foi realizado nos dias 27 e 28, pela Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI), da qual Collor é presidente.

Durante os dois dias de debates, senadores e 38 debatedores, representantes do setor produtivo, do meio acadêmico e do poder público promoveram, além do debate na abertura, sete mesas redondas com os temas: transporte de passageiros e de cargas, energia elétrica, combustíveis, telecomunicações, mineração, saneamento, abastecimento de água e irrigação.

“O objetivo do fórum foi o de apresentar soluções objetivas, exequíveis e condizentes com a atual situação socieconômica brasileira, de modo a suprir os déficits de nossa infraestrutura”, declarou Collor.

Os resultados dos debates serão condensados em um único documento, para serem apresentados como relatório final do fórum.

Segundo Collor, foram encaminhadas 101 propostas que têm a meta de ajudar na superação dos gargalos da infraestrutura do país.

A comissão vai debater as sugestões e poderá transformá-las em projetos de lei.

De acordo com Collor, a comissão vai continuar organizando ciclo de debates, pois “debater e buscar soluções têm sido a tônica da comissão e do Senado Federal”.

Ele disse que os próximos debates vão tratar de assuntos transversais da infraestrutura, como a gestão pública, o excesso de licenciamentos e a burocracia.

O senador prometeu que as audiências continuarão abertas à participação popular, por meio dos canais de comunicação do Senado.

Collor lembrou que a comissão já havia feito, no biênio 2009-2010, a agenda de debates “Desafios estratégicos setoriais”, quando em 21 audiências públicas foram ouvidos mais de 200 palestrantes.

Já em 2013, a comissão organizou o ciclo de debates “Investimento e Gestão, desatando o nó logístico do país”, em que foram realizadas 31 audiências, com 86 debatedores.

Agência Trabalhista de Notícias (FM), com informações da Agência SenadoFoto: Lia de Paula/Agência Senado