Collor defende ação mais firme do Brasil para impor pauta na Rio+20

PTB Notícias 22/01/2012, 12:11


O petebista Fernando Collor, presidente do Diretório Estadual de Alagoas, será um dos representantes do Senado Federal nas discussões da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio +20, que acontece no Rio de Janeiro de 20 a 22 de junho deste ano.

O encontro, com a presença de representantes de países do mundo inteiro, marcará o 20º aniversário da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento (Rio 92), realizada em 1992 também no Rio de Janeiro, e o 10º aniversário da Conferência Mundial sobre o Desenvolvimento Sustentável, realizada em 2002, em Joanesburgo, na África do Sul.

Como presidente da Comissão de Relações Exteriores, o senador Fernando Collor também participa da Comissão Nacional Preparatória para a Rio+20.

A comissão foi formada para articular as ações entre o governo federal, órgãos estaduais e municipais e a sociedade civil a serem adotadas na Rio+20.

O senador Collor, no entanto, está apreensivo com o resultado da conferência.

Ele teme que, do encontro, acabe saindo apenas um protocolo de intenções, sem avanços significativos em relação à conferência anterior em 1992.

Anfitrião do encontro de 1992, realizado quando era presidente da República, o senador Fernando Collor tem sido um dos principais críticos dos preparativos para a conferência.

O senador petebista tem cobrado da presidente Dilma Rousseff que dê ao evento a mesma importância do encontro de 92.

Um sinal seria o empenho para assegurar que o evento conte com a presença de chefes de Estado, e não somente de representações diplomáticas, para suas decisões terem caráter mais definitivo.

Collor defende uma ação mais firme do Brasil para que a conferência não se limite a discutir apenas os temas escolhidos pelas Nações Unidas, mas que trate, por exemplo, de mudanças climáticas e da necessidade de se avançar nas decisões tomadas à época da Eco 92.

Segundo o senador, nos últimos 20 anos, a preocupação com o aquecimento global caiu, apesar de o problema ter apenas aumentado.

Na edição de 2012, a conferência terá dois temas centrais: economia verde no contexto do desenvolvimento sustentável e erradicação da pobreza; e a estrutura de governança internacional para o desenvolvimento sustentável em seus três pilares: social, econômico e ambiental.

Os dois assuntos já fazem parte da pauta de debates do Senado desde o ano passado, quando uma subcomissão temporária para tratar do encontro foi criada.

Agência Trabalhista de Notícias (ELM), com informações da Agência Senado