Collor destaca papel de Itamar na redemocratização do país após ditadura

PTB Notícias 6/07/2011, 10:09


Em discurso da tribuna na última terça-feira (5/07/2011), o senador e ex-presidente da República Fernando Collor de Mello (PTB-AL) ressaltou a contribuição de Itamar Franco para o processo de redemocratização do país, com destaque para sua atuação no retorno da estabilidade financeira, com a implantação do Plano Real.

Collor lembrou que Itamar o substituiu em 1992, após o processo de impeachment que o destituiu da Presidência da República.

Em 1989, Itamar tinha sido convidado por Collor para integrar sua chapa à Presidência, nas primeiras eleições depois da redemocratização.

– Entre 92 e 94, ele completou o mandato presidencial para o qual foi eleito, interrompido pelo processo de impeachment, dando prosseguimento não só ao plano de privatizações e de abertura econômica do mercado, mas principalmente à integral e definitiva consolidação democrática do país, um cenário que hoje, duas décadas depois, impõe-se com um valor ainda maior diante da constatação da plena estabilidade política e institucional de que atualmente desfrutamos – disse.

Transição democrática Collor também salientou o papel de destaque de Itamar Franco na articulação para o retorno à normalidade democrática após anos de ditadura militar.

Ele enfatizou a importância das eleições legislativas de 1974, quando o MDB conseguiu eleger a maioria das cadeiras e uma bancada “qualitativa”, com nomes como Paulo Brossard, Marcos Freire e Franco Montoro.

Segundo Collor, Itamar Franco atuou como “autêntico opositor” ao governo e foi vice-líder do partido em 1975 e 1976.

Ele acrescentou que, em dois mandatos consecutivos de senador, até o início da década de 1990, Itamar atuou com espírito democrático numa época em que vigoravam regras de exceção.

– A missão que lhe foi outorgada na ocasião pelo povo mineiro permitiu a ele participar, mais de perto e com grande liderança, da campanha das Diretas Já, em 1984, cujo objetivo era o de aprovar a Proposta de Emenda à Constituição “Dante de Oliveira”, que restabeleceria as eleições diretas para Presidente da República – recordou Collor, lembrando que, na ocasião, era deputado federal e votou favoravelmente à emenda, que, no entanto, não foi aprovada.

Collor também mencionou as qualidades pessoais e políticas de Itamar Franco, com quem voltou a conviver no Senado em 2011, elogiando sua capacidade conciliadora e sua “equilibrada austeridade”.

– Um homem digno, coerente e, acima de tudo, na inquietude positiva de seu temperamento, um defensor intransigente dos seus ideais – resumiu.

Agência Trabalhista de Notícias (PB), com informações da Agência Senado