Collor e Mozarildo querem debater entrada da Venezuela no Mercosul

PTB Notícias 22/06/2009, 11:57


A Comissão de Relações Exteriores do Senado Federal realizará um seminário com a participação de 12 convidados para debater o protocolo de adesão da Venezuela ao Mercosul no dia 9 de julho.

Após a apresentação de requerimentos para a realização de audiências públicas para debater o tema apresentados pelos senadores Fernando Collor (PTB-AL) e Mozarildo Cavalcanti (PTB-RR), foi firmado um acordo para a realização de três painéis de debates, a ser realizado em um único dia, com quatro debatedores cada, para tratar do assunto.

Os nomes a serem apresentados ainda serão definidos pelos senadores nos próximos dias.

O senador Fernando Collor, um dos críticos mais ferrenhos no Senado à entrada da Venezuela no Mercosul, defendeu que o debate sobre o assunto deve ser feito de forma exaustiva a fim de que o Senado brasileiro possa decidir com segurança sobre o assunto.

Collor vem questionando com frequência a inclusão do país vizinho ao Mercado Comum da América do Sul.

Para o senador, o presidente Hugo Chávez tem se mostrado “desagregador e beligerante” e a Venezuela não preenche o requisito de democracia exigido pelo tratado de Assunção, assinado pelo senador petebista quando da sua passagem pela Presidência da República.

– Você não pode se candidatar a um emprego que exige nível superior apenas com o segundo grau, argumentando que depois que estiver no emprego apresentará o diploma de nível superior, isso é inaceitável.

E é mais ou menos o que está ocorrendo em relação à Venezuela, que ainda não apresentou alguns documentos exigidos para o ingresso no Mercosul- argumento Collor.

De outro lado, o líder do Governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR) exigia a votação imediata do protocolo sem a realização de qualquer outra audiência pública para debater o assunto.

Depois de mais de uma hora de debates, os senadores chegaram a um consenso a respeito da realização de uma espécie de seminário, onde serão realizados três painéis com quatro debatedores cada, a ser realizado em um único dia.

Autor de um dos requerimentos, o senador Mozarildo Cavalcanti (PTB-RR) expressou seu desejo de debater os efeitos do ingresso da Venezuela sobre a Amazônia Ocidental.

Em sua opinião, os maiores beneficiados pelo crescente comércio com o país vizinho são os estados de São Paulo e Minas Gerais, e não os estados da Amazônia.

Favorável ao ingresso da Venezuela, o senador João Pedro (PT-AM) lembrou que já haviam sido realizadas três audiências e se disse contrário ao requerimento.

Para evitar que houvesse um impasse sobre o tema, o senador Eduardo Suplicy (PT-SP) sugeriu que se realizasse uma só audiência, com a presença de convidados favoráveis e contrários ao ingresso da Venezuela.

O senador Fernando Collor (PTB-AL) reagiu, lembrando que ainda persistem dúvidas sobre questões como a existência de uma “verdadeira democracia” no país vizinho.

Collor pediu que fossem ouvidos, entre outros, o embaixador da Venezuela no Brasil e o secretário-geral do Ministério das Relações Exteriores, Samuel Pinheiro Guimarães e o assessor especial da Presidência para assuntos internacionais, Marco Aurélio Garcia, uma vez que os dois, ao lado do chanceler Celso Amorim, ditam as diretrizes da política externa brasileira.

Divididos, senadores Tião Viana (PT-AC) e Romero Jucá (PMDB-RR) disseram que as audiências públicas necessárias já haviam sido realizadas.

Por outro lado, os senadores Geraldo Mesquita Júnior (PMDB-AC), Wellington Salgado (PMDB-MG) e José Agripino (DEM-RN) pediram que as audiências prosseguissem enquanto houvesse dúvidas por parte de alguns senadores.

“Os melhores momentos do Senado ocorrem nas audiências públicas”, disse Wellington.

Coube então ao senador Arthur Virgílio (PSDB-AM) retomar a proposta de Suplicy de se realizar uma única audiência.

Mas uma grande audiência, que pudesse durar um dia inteiro.

O senador Inácio Arruda (PCdoB-CE) sugeriu que a audiência fosse dividida em painéis temáticos, com o que concordou Fernando Collor.

fonte: Agência Senado