Concessão do Pacaembu pode reduzir R$ 6 milhões do orçamento, diz Jatene

PTB Notícias 8/05/2015, 14:21


O secretário municipal de Esportes, Lazer e Recreação de São Paulo, Celso Jatene (PTB), apresentou à Comissão de Educação Cultura e Esportes da Câmara Municipal paulistana um balaço das atividades da secretaria do último ano e as perspectivas para 2015.

Entre as atividades apresentadas na reunião de quarta-feira (6/5/2015), se destacaram o processo de concessão do estádio do Pacaembu e a realização do plano de metas.

Atualmente, a secretaria possui orçamento de quase R$ 260 milhões/ano, para a administração de 49 equipamentos públicos, programas como Corrida de Rua, com a participação em mais de 165 corridas por ano, Vem Dançar, que atende mais de 10 mil pessoas em bailes regionais, Clube Escola em convênio com 60 Clubes das Comunidades (CDC”s) e as Ciclo Faixas de Lazer com 120 km que conta com a interação de cem mil ciclistas.

Além da participação em eventos esportivos, Jogos da Cidade e a realização da Virada Esportiva.

Entre os equipamentos, o Estádio Municipal Paulo Machado de Carvalho, o Pacaembu, onde é destinado R$ 9 milhões do orçamento anual da secretaria.

Celso Jatene explicou aos vereadores como será realizada uma parceria de concessão da administração do estádio.

Segundo o secretário, a parceria busca a revitalização e modernização do estádio, respeitando as características tombadas pelo patrimônio e a utilidade pública do equipamento.

A concessão será de 25 anos e já tem sete interessados inscritos, dois consórcios, duas entidades e três empresas.

“Os interessados pelo Pacaembu deverão apresentar projetos de melhorias arquitetônicas e de modelo de administração.

Depois disso, realizaremos audiências públicas, aqui na Câmara e no próprio estádio, para mostrar as propostas e ouvir a população e aí sim chegar ao momento da licitação que deve ser no fim deste ano”, explicou.

O petebista afirmou que o próprio proponente do projeto é que deve arcar com os custos da obra e da gestão do estádio.

“Não será investido nenhum centavo de dinheiro público nisso, por isso é um modelo de concessão.

Logicamente que quem investiu terá o direito da concessão de 25 anos para reaver o que investiu, mas o equipamento vai continuar rigorosamente sendo um patrimônio da prefeitura”, disse.

“Como a área poliesportiva precisa ser modernizada, revitalizada e devolvida para a gestão pública para continuar atendendo a população, pode ser que de R$ 9 milhões, o custo operacional fique em R$ 3 milhões por ano”, disse o secretário.

Quanto ao plano de metas, o presidente da Comissão de Educação, vereador Reis (PT), avaliou positivamente o trabalho da secretaria e disse que a comissão irá visitar os espaços.

“Estamos com o programa de visitar os equipamentos públicos de educação e cultura e agora iremos incluir os de esportes na agenda para avaliar as condições e, dentro do que foi apresentado hoje, como estão realmente esses equipamentos”, disse.

Agência Trabalhista de Notícias (FM), com informações da Câmara Municipal de São PauloFoto: Luiz França/CMSP