Costa Filho critica paralisação de obras de navegabilidade do Capibaribe

Agência Trabalhista de Notícias 19/11/2015, 8:27


Uma audiência pública para esclarecer os motivos da paralisação das obras de navegabilidade do Rio Capibaribe foi proposta pelo líder da oposição na Assembleia Legislativa de Pernambuco, deputado Sílvio Costa Filho (PTB), na quarta-feira (18/11/2015).

O parlamentar responsabilizou o governo do Estado e a Prefeitura do Recife pelo atraso na construção das estações.

O projeto original, orçado em aproximadamente R$ 290 milhões, previa o transporte de 300 mil pessoas por mês em 13 embarcações.

“Essa obra está paralisada há 600 dias, coberta de tapumes, mas sua maquete foi usada na campanha eleitoral municipal de 2012”, criticou.

“Estações que eram para estar prontas nem sequer foram iniciadas, por problemas com as construtoras e com a concessão de licenças ambientais”, relatou.

Costa Filho argumentou que, neste caso, o governo pernambucano não pode responsabilizar a União pelos atrasos.

“Temos relatórios da Caixa Econômica Federal que mostram que o dinheiro já foi liberado.

O problema com essas obras é a gestão do Estado e da prefeitura”, apontou.

Segundo o parlamentar, a demora na entrega das estações também significa desperdício de dinheiro público.

“Foram gastos quase R$ 59 milhões nessa dragagem e o que foi investido está indo embora com a falta de manutenção”, frisou.

Em aparte, o deputado Júlio Cavalcanti (PTB) também criticou o governo.

“O Estado dá início a muitas obras, mas a finalização fica ao deus-dará.

A lama já voltou aos lugares onde foi feita a dragagem.

Quem vai pagar o custo de tudo isso?”, questionou.

Rede SarahNo tempo destinado à Comunicação de Lideranças, Sílvio Costa Filho voltou à tribuna para apoiar a mobilização em defesa da ida de uma unidade do Rede Sarah Kubitschek de Hospitais de Reabilitação para o Recife.

O deputado sugeriu a criação de uma comissão suprapartidária na Alepe para fortalecer o movimento.

A Rede Sarah é um serviço social autônomo sem fins lucrativos, com nove unidades em todo Brasil, que oferecem serviço especializado em reabilitação neurológica e motora.

Agência Trabalhista de Notícias (LL), com informações da Assembleia Legislativa de Pernambuco Foto: Roberto Soares/Alepe