Cristiane Brasil protesta contra falta de investimento em infra-estrutura

PTB Notícias 12/04/2007, 12:33


A vereadora Cristiane Brasil, presidente do Diretório Estadual do PTB no Rio de Janeiro, protestou em seu blog contra a falta de investimentos do governo federal em infra-estrutura, principalmente para recuperação das estradas brasileiras.

A vereadora carioca lamentou o alto número de acidentes e mortes nas estradas no último feriado de Páscoa, assim como a crise nos aeroportos que se arrasta há alguns meses.

Leia abaixo o comentário da vereadora Cristiane Brasil:As mortes nas estradas e a falta de planejamento em infra-estruturaO grande aumento do número de acidentes nas estradas federais neste feriado de Páscoa é resultado direto da má administração do setor de infra-estrutura por parte do atual governo do presidente Luís Inácio Lula da Silva.

O maior número de mortes constatado neste ano em relação a 2006 mostra a falta de planejamento e de cuidado com a vida de terceiros.

O processo que levou ao desfecho de diversas mortes nas estradas, no último feriado, foi construído por uma sequência de fatos que se encadearam em efeito dominó.

Caos nos aeroportos, receio das pessoas em viajar de avião, maior número de pessoas optando por pegar as estradas em seus carros, estradas públicas mal cuidadas – com buracos inacreditáveis – e mal sinalizadas.

O somatório de todos os fatores levou aos números de acidentes divulgados.

Que mal se pergunte? Para onde vão os impostos da CIDE (Contribuição de Intervenção do Domínio Econômico) que entrou em vigor em 2002 e não teria outro destino senão custear a infra-estrutura de transportes? Desde janeiro de 2002, o cidadão passou a pagar, em valores de cinco anos atrás, R$ 0,28 em cada litro de gasolina e R$ 0,07 no óleo diesel para ver melhorar as condições das rodovias federais em todos os estados.

Até hoje esse caminho parece não ter sido percorrido pelos recursos arrecadados.

É trágico constatar que as vidas perdidas poderiam ter sido salvas caso os gabinetes do planalto não tivessem a atual miopia e conseguissem enxergar um pouco além.

Se fosse assim, constataria-se que o caos no setor de infra-estrutura está em marcha há seis meses no mínimo e que vidas inevitavelmente seriam perdidas.