Deputado Arlen Santiago destaca importância da relação médico/paciente

PTB Notícias 23/03/2012, 7:38


A pesquisa realizada pelo Ibope Inteligência, entre agosto e setembro de 2011, em parceria com a Worldwide Independent Network Research (WIN), revelou que 88% dos brasileiros consideram o último atendimento médico excelente, muito bom ou bom.

De acordo com a pesquisa, na rede pública de assistência, 50% dos pacientes consideram o atendimento excelente ou muito bom.

No grupo dos que consultam médicos credenciados a planos de saúde, 70% sustentam esta avaliação.

Já quando o atendimento é particular, o índice sobe para 73%.

Foram avaliados vários itens pela população, entre os quais, “Me tratou com respeito” (93% de notas excelente, muito bom ou bom); “Me recebeu de uma maneira que me deixou confortável” (89%) e “Entendeu minhas principais preocupações com a saúde” (87%), receberam as melhores avaliações.

Para o deputado estadual Arlen Santiago (PTB-MG), que também é médico radioterapeuta atuante, palavras de respeito, de prudência, de estímulo, de confiança no tratamento, bem como de conforto quando não houver mais o que possa ser feito, são fundamentais na relação médico/paciente.

“São ações que precisamos resgatar antes que o vínculo se perca.

É preciso relembrar valores básicos, como o poder da fala do médico, o que dizer, como dizer e o que se deve evitar dizer ao paciente”, comenta.

Na pesquisa, o item que recebeu as piores notas por parte dos pacientes, em relação ao trabalho do último médico visitado, foi “Me incentivou a fazer perguntas” (10% com avaliação ruim), seguido de “Me envolveu nas decisões, da forma que eu desejava” (7%) e “Passou a quantidade certa de tempo comigo” (7%).

A pesquisa entrevistou pacientes em 39 países e indica que o Brasil ocupa a 20ª posição na lista daqueles com médicos mais bem avaliados com relação à comunicação.

E revelou ainda que em nosso país, 76% (cerca de três em cada quatro pacientes) afirmam confiar em um médico para auxiliá-los na manutenção da saúde.

Outro indicador da relação de confiança é o grau de adesão às recomendações relativas ao uso de medicamentos.

“Prestar atenção ao paciente, ouvindo-o e observando-o, bem como demonstrando que nos importamos com suas preocupações e seus problemas são ações que nós médicos devemos cultivar”, lembrou Arlen Santiago, destacando que são preceitos simples, mas que transmitem segurança ao doente.

Agência Trabalhista de Notícias (LL) com informações do Portal do Deputado Arlen Santiago