Deputado Carlinhos Vargas propõe projeto que prevê economia de água

PTB Notícias 13/01/2011, 12:55


O deputado estadual Carlinhos Vargas (PTB-RS) apresentou proposta à bancada petebista, para ser protocolada na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul, que prevê economia nas tarifas de fornecimento de água aos consumidores residenciais, com descontos que variam de 2% a 7%.

O projeto também tem caráter educativo contra o desperdício da água e visa promover maior consciência ambiental e consumo sustentável.

Segundo o parlamentar do PTB gaúcho, as agências reguladoras desse serviço possuem categorias estabelecidas para a cobrança das tarifas, que englobam consumidores residenciais, públicos, industriais e comerciais.

Ele explica que o consumidor residencial paga hoje uma tarifa de R$1,30 por m³ para quem consome até 10m³ de água, caso o usuário exceda esse limite em 1m³ que seja o valor cobrado já passa para R$3,20.

“Ou seja, para aquele consumidor excedente o valor dobra e para aquele que não atingiu o limite não existe desconto? Seria justo e coerente esse benefício”, defende o deputado estadual.

Além disso, em tempos de estiagem no nosso Estado, o deputado alerta que a economia de água gerada serviria para sanar épocas de racionamento e despesas com a construção de barragens.

Conforme Carlinhos, hoje são quase 15 municípios gaúchos em situação de alerta ou emergência devido à estiagem.

“Com este projeto talvez se evite que amanhã ou depois esta Casa precise votar um projeto de anistia das dívidas de água, um bem cada vez mais escasso no mundo inteiro”, justifica.

Nesse sentido, o deputado lembra também que para a construção das barragens do Arroio Taquarembó e do Arroio Jaguari, que também servirão para o consumo humano, o custo de investimento do Estado perpassa R$ 250 milhões.

“Com esta economia e mudança de cultura entre os consumidores, sem custo algum ao erário do Estado, é bom lembrar, todos irão ganhar em consciência ambiental e consumo sustentável, e o governo pode investir em outras áreas mais necessitadas”.

Agência Trabalhista de Notícias (IS)