Deputado Marcus Vinícius escreve artigo sobre tragédia das chuvas no Rio

PTB Notícias 15/01/2011, 8:18


O Deputado Marcus Vinícius (PTB-RJ) publicou um artigo no jornal carioca O Dia, nesta sexta-feira, 14/01, sobre a tragédia ocorrida na Região Serrana do Rio de Janeiro, sua base eleitoral.

Confira abaixo o artigo na íntegra: Tragédia AnunciadaPor Marcus Vinícius”Tempestades castigam o Rio de Janeiro desde 1966.

Naquele ano, um dia de dilúvio deixou um saldo de 250 mortos.

Em 1988, 15 dias de tormenta contínua acabaram com rastro de 570 pessoas mortas.

Portanto, desde sempre, a tragédia das chuvas assombra o estado a cada verão, não havendo desculpa para a omissão dos governantes sobre essa questão.

Infelizmente, o drama se repete agora, com uma pequena mudança de cenário.

Observamos, às vésperas do Natal, deslizamentos de encostas e desmoronamentos de barracos matarem três crianças e desabrigarem 68 pessoas em Petrópolis.

E desde o começo desta semana, a chuva que castiga as cidades serranas já causou centenas de mortos e milhares de desabrigados.

Petrópolis, Teresópolis e Friburgo ficaram sem luz, água e telefone.

Após as chuvas do ano passado, as autoridades das três cidades serranas anunciaram medidas urgentes de prevenção, sendo prioritária a de levantamento das áreas de risco.

Confessaram a inexistência de qualquer tipo de prevenção dessas tragédias.

O prefeito de Petrópolis, Paulo Mustrangi, revelou ter conhecimento de apenas 102 áreas de risco do 1º Distrito, identificadas em um levantamento de 2008.

A falta de mapeamento das áreas de risco e de políticas públicas adequadas nos três municípios ficou agora evidente.

A chuva mostrou com toda clareza os caminhos do desleixo irresponsável.

A Constituição Brasileira responsabiliza o Estado pela tragédia das enchentes, sempre que for flagrada a omissão de efetivar ações preventivas.

Porém, a Justiça exige a comprovação de culpa das autoridades pela não-prestação do serviço, premiando a omissão e a covardia.

Já passou da hora de os políticos tomarem coragem para remover qualquer construção irregular, nem que para isso seja preciso travar uma batalha judicial contra seus moradores.

* Artigo publicado no Jornal O Dia (14/01/2011)