Deputado Nelson Marquezelli afirmou que a Saúde deve ser priorizada

PTB Notícias 3/07/2012, 16:46


Para reduzir as filas no Sistema Único de Saúde (SUS) e continuar crescendo o número de cirurgias eletivas realizadas no País, o Ministério da Saúde destinará R$ 650 milhões aos estados e municípios.

O investimento representa um crescimento de 100% se comparado com o valor destinado em 2011, que foi de R$ 350 milhões.

Em 2011, foram 345.

834 cirurgias eletivas realizadas pelo SUS.

Em uma década, o País aumentou 1.

135% o número de procedimentos do tipo em relação a 2001, quando foram realizadas 28 mil cirurgias.

A Portaria n° 1.

340 que estabelece as diretrizes e recursos por estado foi publicada, nesta segunda-feira (2), no Diário Oficial da União.

O deputado Nelson Marquezelli (PTB) afirmou que a Saúde deve ser priorizada.

“Tenho trabalhado intensivamente para que possamos reduzir ao máximo o tempo de esperar para atendimento do SUS.

Somente de emendas parlamentares para este ano destinei R$ 6,5 milhões para hospitais e santas casas”, destaca o deputado.

Marquezelli ressaltou ainda que somente no Estado de São Paulo serão investidos R$ 124,4 milhões pelo Ministério da Saúde em cirurgias eletivas.

“O aumento no repasse de recursos visa estimular a realização de cirurgias.

No ano passado, instituímos uma nova política para garantir a antecipação dos recursos aos estados e municípios para que pudessem contratar um número maior de serviços para a realização de mutirões”, destaca o ministro da Saúde, Alexandre Padilha.

“Estamos dando um importante passo para reduzir o tempo de espera do paciente.

Além disso, estamos inovando ao priorizar os municípios com populações de extrema pobreza, que necessitam de maior atenção por parte do governo”, avalia.

Os recursos fazem parte de uma nova estratégia do Ministério da Saúde para garantir o acesso da população aos procedimentos disponibilizados no SUS.

Os estados brasileiros e o Distrito Federal receberão os recursos, em parcela única, para o período de um ano, e serão aplicados nas especialidades de maior demanda e naquelas escolhidas pelos gestores locais, conforme a realidade de sua região.

Além disso, do total, R$ 50 milhões serão destinados aos municípios com 10% ou mais de sua população em situação de extrema pobreza.

São R$ 180 milhões para realização de cirurgia de catarata e R$ 210 milhões para tratamento de varizes, cirurgias ortopédicas e nas áreas de urologia, oftalmologia e otorrinolaringologia, incluindo retirada de amígdalas.

Outros R$ 210 milhões atenderão as demandas apresentadas pelos gestores estaduais, conforme a realidade de suas regiões.

Os R$ 50 milhões restantes são para ampliar o acesso a cirurgias de cataratas nos municípios com população em situação de extrema pobreza.

A ação beneficia 2.

555 cidades.

O objetivo do Ministério da Saúde é zerar as filas de espera para esse tipo de procedimento.

Ivana Souza – Agência Trabalhista de Notícias, com informações da assessoria de imprensa do deputado Nelson Marquezelli