Deputado Washington José Salles apresenta reivindicações para o Araguaia

PTB Notícias 4/05/2012, 14:27


O deputado estadual Washington José Salles (PTB-MT) afirmou que, nos próximos 120 dias em que estiver na Assembleia Legislativa, vai reiterar junto ao governo do Estado e federal a necessidade de atendimento das reivindicações que abrangem os 14 municípios do baixo Araguaia.

De acordo com o parlamentar, sua atuação terá como referência a retomada das obras da BR-158, a construção de um hospital regional em Porto Alegre do Norte – 1.

117 km da capital Cuiabá – e a regularização fundiária nos municípios arredores.

“Estamos distantes da capital em condições precárias, que inclui transporte, saúde e regularização fundiária em diversas cidades do Araguaia”, justificou o petebista.

Em relação à BR-158, responsabilidade do governo federal, Washington José justifica sua reivindicação com base na morosidade judicial para resolver as questões ambientais às margens rodovia, que envolvem aldeias indígenas e preservação de reservas ambientais.

Ao todo são 160 quilômetros de estrada que ainda restam sem asfalto para facilitar o acesso às cidades.

Segundo o deputado, a região tem mais de 1 milhão de hectares com potencial econômico prejudicado pela falta de incentivos à logística de infraestrutura.

“Nossa produção econômica é muito promissora, porém, temos também atrasos centenários que emperram a agilidade do desenvolvimento dos municípios”, afirmou.

O deputado disse também que já tem elaborado projeto de lei em defesa do sistema de saúde para a região.

Pelas suas expectativas, o governo Silval Barbosa (PMDB) deverá atender a reivindicação da população para a construção do hospital regional em Porto Alegre do Norte, cidade com 16 mil habitantes, segundo Censo do IBGE de 2010.

A falta dos títulos de terras e lotes urbanos é outro problema crítico nas cidades que congregam a região do baixo Araguaia.

Para o deputado, a situação impede o acesso de produtores rurais ao crédito nas principais fontes bancárias do país.

“Além dos produtores, a situação também é critica para quem tem imóveis nas cidades da região.

“Agência Trabalhista de Notícias (FM), com informações da Assembleia Legislativa de Mato GrossoFoto: Ronaldo Mazza/ALMT