Deputados, senadores e prefeitos debatem na reunião da Executiva Nacional

PTB Notícias 25/05/2011, 18:44


Após serem prorrogadas as Comissões Provisórias e da criação do movimento PTB Diversidade, na reunião da Executiva Nacional da legenda nesta quarta-feira (25/05/2011), no Diretório Nacional, em Brasília (DF), o presidente Roberto Jefferson abriu espaço para que os deputados, tanto federais quanto estaduais, senadores e prefeitos petebistas pudessem debater aspectos relevantes que estão em destaque no cenário nacional.

Ao iniciar os discursos, o Secretário-Geral do PTB, o deputado estadual paulista Campos Machado, comunicou aos contatos, em São Paulo, que, nesta quinta-feira (26/05/2011), terá uma reunião com a União Geral dos Trabalhadores (UGT), a terceira maior central sindical do País.

Segundo o parlamentar, esse grupo de sindicalistas pretende compor com o PTB-SP para as eleições municipais de 2012.

“Já fiz preliminarmente uma conversa para podermos chamá-los á maior participação nos diretórios do partido”, disse.

Campos anunciou também que a legenda do Estado criou a coordenação de esportes, que será presidida pelo lutador de kickboxing brasileiro Paulo Zorello, e que pretende lançar, junto com o grupo, a candidatura para vereadora da atleta Maurren Maggi, e do saltador Jadel Oliveira.

Além disso, anunciou que o diretório criará a TV 14, com entrevistas e programação na internet.

O Secretário-Geral do PTB também falou da disputa judicial em torno do PSD (Partido Social Democrático), partido que o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, quer criar.

“Não podemos abdicar do PSD em hipótese alguma.

Não podem tomar nosso partido.

Estamos até hoje pagando despesas do PSD.

E pretendemos fazer uma consulta ao TSE, para sabermos qual é o prazo para impugnação do registro do PSD, para podermos fazer o pedido na justiça da impugnação das assinaturas”, ressaltou.

Campos Machado concluiu dizendo que o diretório paulista implementou um trabalho em torno de metas, e que o objetivo do partido no Estado é lançar candidatos a prefeito em 500 cidades de São Paulo.

Anunciou ainda a vontade de convocar cada estado brasileiro para entrar com um deputado, federal e estadual.

“O momento é nosso, porque nós estamos com respeito de todo o país.

E o que nós temos que mostrar é a nossa força, a nossa história”, frisou.

“Isso é questão de honra para nós.

“Kit gayOutro assunto debatido nos assuntos gerais da reunião da Executiva Nacional foi o kit gay, levantado pelo deputado federal Josué Bengtson, do PTB do Pará.

O parlamentar criticou a cartilha do MEC.

“Se isso sair nas escolas será uma vergonha”, acredita, ressaltando que tem respeito por qualquer pessoa.

“Mas, agora, fazer aquilo de fazer o que fizeram, um vídeo a apologia a união homoafetiva, e passar nas escolas para infanto-juvenil, para crianças de 10 anos, não é certo.

O assunto vale uma reflexão.

Reconheço e respeito o direito de todos os cidadãos, desde que aquele não interfira de ser família.

“SaúdeO prefeito de Belém, Duciomar Costa, do PTB do Pará, enfatizou que o governo federal transferiu a responsabilidade da questão da saúde para os estados, que, segundo o petebista, não conseguiram segurar, e passaram para os municípios.

“Isso foi uma coisa criminosa”, sustentou.

Duciomar alertou ainda para as ações dos prefeitos não são contabilizadas em seus CNPJs.

Essa questão, como frisou ele, deve ser combatida porque já virou um modismo nacional e é preciso encontrar uma solução para o problema.

Em tom de desabafo, afirmou: “Chega desse joguinho, de jogar essa bomba para as prefeituras.

Recebemos apenas 14% do bolo orçamentário.

Esse assunto merece ser discutido”.

Para o Secretário Jurídico do PTB, Luiz Francisco Correa Barbosa, a questão trazida por Duciomar Costa é de enorme gravidade.

Porém, explicou que esse problema na área de saúde se deve a Lei de Responsabilidade Fiscal.

Barbosa avaliou que esse tema está acabando com os papéis de os prefeitos exercerem a sua função.

“Ela exige e incrimina o administrador quando não é preciso.

O prefeito não é só aquele que fica fazendo política, mas também o que tem que tocar o município”, disse Barbosa, ex-prefeito.

“Precisamos levantar a voz, e nada melhor do que um partido, e tacar a fonte dos problemas e os seus defeitos”, concluiu o Secretário Jurídico.

AgradecimentosO vice-prefeito de Salvador, Edvaldo Brito, primeiramente, agradeceu a lembrança e o carinho com que o presidente Roberto Jefferson se dirige a ele, desde quando o líder petebista lhe trouxe de volta as atitudes políticas, saindo do momento de letargia.

“Buscaram o homem que acreditou nesse partido, que nele permaneceu e vai brigar e morrer com ele”, ressaltou, e anunciando.

“E o PTB vai disputar, comigo, as eleições de 2012 de Salvador, e a cidade crescerá nas mãos dos líderes.

” Em seguida, o deputado federal por Goiás e líder do partido na Câmara, Jovair Arantes, disse que o PTB fez a diferença grande na votação do novo Código Florestal, e elogiou a postura do PTB em fazer a reunião.

Já o deputado estadual Arlen Santiago, de Minas Gerais, afirmou que o partido no Estado é pequeno porque só tem um deputado federal, o Eros Biondini, pelo qual Roberto Jefferson batalhou para tê-lo no partido, e mais quatro estaduais (Delvito Alves, Dilzon Melo, Juninho Araújo e Marques Abreu).

Entretanto, reconheceu a perspectiva de enrijecer a legenda.

“Mas nós temos uma grande oportunidade de fazer o partido crescer em Minas Gerais, e vamos estimular cada vez mais o Eros a ser nosso representante e que traga outros.

“PSDO senador Fernando Collor de Mello, do PTB de Alagoas, acentuou mais em seu discurso dois itens relevantes na pauta política, principalmente a criação do PSD.

O ex-presidente da República lembrou a candidatura de Silvio Santos pelo PMB (Partido Municipalista Brasileiro) nas eleições presidenciais de 1989, que com 15 dias de lançada a candidatura e filiação do apresentador, o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) impugnou as regras estabelecidas para que o PMB funcionasse como partido político.

“E da mesma maneira acontece com o PSD.

E alguns companheiros nossos colocaram um guizo no pescoço e correram para essa legenda”, afirmou Collor, fazendo um apelo à Executiva Nacional e aos diretórios estaduais.

“Gostaria de fazer uma solicitação a todos os diretórios, de avisar do perigo que eles (petebistas) estão correndo a tomarem esse atitude de largar mão de um partido como o PTB e ir para um a não sei a título de que.

Irá ocorrer com o PSD a mesma coisa com o partido do Silvio Santos.

Ele será excluído”, atestou.

Segundo senador, é necessário alertá-los dos perigos que estão correndo, e que terão a oportunidade de voltar ao seu lar original, o PTB.

Exemplificou dizendo que seria a volta dos filhos pródigos.

“Vamos fazer um alerta aos nossos companheiros que estão sendo envolvidos por esse encanto de sereia, que vai virar fumaça daqui a alguns meses.

Tenho certeza que o presidente Roberto Jefferson e os diretórios regionais vão recebê-los de braços abertos.

” Ao fim, Collor comentou o debate da reforma política feita no Senado, onde foram tratados 11 temas.

Agência Trabalhista de Notícias (Felipe Menezes e Paula de Biasi)