Deputados tentam votar nesta quarta-feira novo texto para reforma política

PTB Notícias 11/07/2007, 13:27


O Plenário da Câmara dos Deputados tenta votar nesta quarta-feira, 11, um novo texto para a reforma política.

Este já é o quarto texto, além do projeto original, que será discutido em busca de um acordo sobre os sistemas eleitoral e partidário.

Além de substitutivo do deputado Ronaldo Caiado (DEM-GO), os deputados tentaram, sem sucesso, votar duas emendas aglutinativas que substituíam todo o texto do projeto.

Em reunião ontem à tarde, os líderes partidários decidiram votar outra emenda aglutinativa que reúne apenas três pontos da proposta original:- financiamento público de campanha para cargos majoritários (presidente, governador, prefeito e senador) e financiamento privado para cargos proporcionais (deputados federal, estadual e distrital e vereadores), com teto para as doações de pessoas físicas e jurídicas; – transformação das coligações em federações, no caso dos cargos proporcionais, obrigando os partidos a permanecerem juntos por três anos; – fidelidade partidária, com regras para evitar a troca de legenda durante o mandato.

O líder do PTB na Câmara, deputado Jovair Arantes, considera possível votar agora a fidelidade partidária.

Na sua opinião, isso é “o máximo” que a correlação de forças na Casa permitiria neste momento.

E, na condição de representante de uma das bancadas que mais críticas fizeram ao projeto de Caiado, condena tanto a proposição derrotada em plenário quanto as tentativas posteriores de emendá-la: “Somos contra remendo vermelho em calça branca.

Essa não é a reforma que o povo quer.

Não vamos fazer uma coisa mal-feita”, disse Jovair.

Segundo o Líder do PTB, o partido fez uma pesquisa que detectou os principais pontos que a população quer ver em uma reforma.

São eles: voto distrital misto, fidelidade partidária, a instituição do voto facultativo e coincidência de mandatos.

Além da falta de consenso entre os líderes partidários, a reforma política pode enfrentar outros obstáculos para ser votada.

O deputado Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP) promete apresentar novo questionamento regimental sobre a matéria.

Ele é contra qualquer mudança prevista na reforma.

“Não acrescenta e não melhora nada.

A reforma política não vai mudar os políticos.

Eles são culpados pela situação do País.

Eu vou questionar regimentalmente, para impedir a votação.

Nós não temos que fazer a reforma política, mas a reforma de nós, políticos”.

Arnaldo Faria de Sá disse que só revelará o motivo para o questionamento regimental (questão de ordem) no momento da votação, na tarde de hoje.

Agência Trabalhista de Notícias (com informações da Agência Câmara)