Dilemário cobra acordo entre prefeito e professores para pôr fim à greve

PTB Notícias 8/09/2015, 8:18


O vereador de Cuiabá (MT) Dilemário Alencar (PTB) cobrou, na última semana, a necessidade de o Executivo Municipal buscar entendimento o mais urgente possível com os professores para pôr fim à greve da categoria, que começou na segunda-feira passada (31/8/2015).

O vereador explicou que o principal motivo que levou os professores decretarem greve por tempo indeterminado foi a negativa do prefeito Mauro Mendes (PSB) em negociar aumento real dos salários da categoria.

“A diretoria do Sindicato dos Professores vem tentando negociar a garantia de aumento real para os salários dos professores como forma de fazer frente à carestia de preços que tem diminuído o poder de compra dos trabalhadores.

No entanto, a gestão municipal alega não pode atender o pleito devido à crise econômica vivida no país.

Penso que é um erro essa postura da administração, pois os trabalhadores não são responsáveis pela crise e não podem pagar por ela.

Ademais, buscar a valorização do professor é o melhor investimento que o poder público pode fazer para construir uma nação melhor”, defendeu Dilemário.

A proposta salarial feita pelo Sindicato dos Professores (Sintep-Cuiabá) consiste na soma da reposição inflacionária de 9,31% e mais 3,09% de ganho real, perfazendo um reajuste 12,40% para os salários dos professores.

O percentual de 9,31% já foi implantado na folha de pagamento dos professores no mês de julho.

Segundo o Sintep, 70% das unidades de ensino estão sem funcionar.

A greve afeta 48 mil alunos de 90 escolas e 50 creches.

A prefeitura apresentou na última semana, na Junta de Conciliação de Conflitos Trabalhistas do Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso, a proposta de ganho real para a categoria no percentual de 2,3% parcelado em duas vezes: 1,0% em novembro e 1,3% em janeiro de 2016.

A direção do Sintep submeterá a proposta para ser avaliada em assembleia geral da categoria.

“Desde 2005 não ocorria greve na rede municipal de ensino.

No ano passado os professores chegaram a paralisar também por ganho real.

Lembro que ajudamos a intermediar um acordo da categoria com o prefeito, ocorrendo logo o fim da paralisação.

Faço um apelo para que o prefeito, a exemplo de 2014, atenda a reivindicação da categoria para pôr fim à greve, pois acredito que é possível financeiramente a prefeitura atender a justa reivindicação dos professores”, disse Dilemário.

Agência Trabalhista de Notícias (LL), com informações da assessoria da Câmara Municipal de Cuiabá Foto: Luiz Alves/Secom CâmaraCbá