Dilemário cobra construção de terminal para abrigar os feirantes do Verdão

PTB Notícias 29/10/2013, 8:11


A decisão do governo de Mato Grosso em construir um estacionamento exclusivo para a Fifa no terreno que se encontra edificado o Terminal Atacadista de Cuiabá, conhecido também como Feira do Verdão, se tornou motivo de preocupação e angústia para os feirantes que trabalham no terminal há mais de 20 anos.

No terminal trabalham 1.

500 trabalhadores, sendo 250 feirantes permissionários e 1.

250 colaboradores.

O vereador Dilemário Alencar (PTB), presidente da Comissão de Acompanhamento das Obras da Copa da Câmara de Cuiabá, disse que em 2010 o governo do estado solicitou a Prefeitura de Cuiabá a cessão do terreno para a construção do estacionamento.

No entanto, com a cessão do terreno, ficou a expectativa da construção pelo governo estadual de um novo terminal atacadista para abrigar os feirantes.

“Estamos a oito meses do início da Copa, no entanto, até agora existe apenas a indicação de uma área no Distrito Industrial onde funcionava a extinta Casemat, que pode servir para construir um espaço para abrigar os feirantes, mas a definição oficial do local e do início das obras para a construção de um novo terminal atacadista ainda não se concretizou.

Esta situação tem preocupado os feirantes, pois eles temem ser despejados sem a garantia de um novo local para continuar trabalhando”, explicou Dilemário.

O vereador do PTB informou que vem buscando convencer tanto a Prefeitura como o governo do estado para encontrar uma solução o mais urgente possível que garanta os direitos dos feirantes, bem como também que garanta o regular abastecimento de frutas, verduras e legumes durante a Copa de 2014, pois o Terminal Atacadista do Verdão funciona como um mini Ceasa, sendo responsável por abastecer cerca de 70% do comércio local com produtos hortifrutigranjeiros.

“O presidente da Associação dos Feirantes do Verdão me informou que a categoria está revoltada com a situação e que não vai aceitar ser retirada do local sem que antes o governo construa um novo terminal atacadista com toda a infraestrutura necessária.

O governo precisa dialogar com os feirantes para buscar um entendimento, sob pena de haver um conflito social caso eles sejam obrigados a sair do local sem terem suas reivindicações atendidas”, alertou Dilemário.

* Agência Trabalhista de Notícias (LL), com informações do portal O Documento