Dilemário entrega mais documentos ao MP e cobra tarifa de R$ 2,50

PTB Notícias 9/07/2013, 8:22


O vereador Dilemário Alencar (PTB-MT) entregou na segunda-feira (8/7/2013) mais documentos ao promotor do Ministério Público, Ezequiel Borges, que indicam indícios de que o aumento que elevou a tarifa dos ônibus coletivo de R$ 2,70 para R$ 2,95, em dezembro de 2012, levou em consideração a existência de 623 cobradores na composição do quadro de funcionários existentes nas empresas operadoras do sistema de transporte urbano de passageiros da cidade de Cuiabá.

De acordo com o vereador, a informação dos dados da existência dos cobradores foi oficializada a Secretaria Municipal de Trânsito e Transportes Urbanos (SMTU) pela Associação Matogrossense dos Transportadores Urbanos (AMTU) na data de 28 de novembro de 2012.

Os custos dos salários e benefícios sociais como cesta básica, uniformes, vale gás e café da manhã dos 623 cobradores serviram de base para a elaboração da Planilha do Cálculo Tarifário que justificou o aumento da tarifa.

“As entidades representativas dos empresários do transporte coletivo de forma nenhuma poderiam incluir custos de salários e outros direitos trabalhistas referente a cobradores para efeito de novo cálculo tarifário, haja vista, que na data que eles informaram a SMTU, já era público e notório que todos os cobradores já haviam sido demitidos, ou seja, que os ônibus a muito tempo já circulavam sem a figura do cobrador”, explicou Dilemário.

Para o vereador, com a entrega dos novos documentos, indubitavelmente, o Ministério Público vai aferir que de fato foi incluído custos com salários e benefícios sociais de cobradores na planilha de cálculo que elevou a tarifa em 2012, o que, segundo o parlamentar, poderá configurar enriquecimento sem causa por parte dos empresários.

Cálculos da assessoria do vereador apontam que caso não volte os cobradores ou haja diminuição na tarifa, os empresários poderão lucrar de forma indevida este ano mais de R$ 8,5 milhões.

“Vou trabalhar para convencer que o prefeito Mauro Mendes exija dos empresários a recontratação imediata dos cobradores.

Caso isso não aconteça, a tarifa do ônibus coletivo deve cair para o valor de R$ 2,50, pois a cobrança da atual tarifa é indevida e está lesando mais de 300 mil usuários do transporte coletivo”, pontuou Dilemário.

* Agência Trabalhista de Notícias (LL), com informações do portal O Documento