Dilemário protesta contra vetos do Executivo no transporte em Cuiabá

PTB Notícias 6/08/2013, 16:35


“O retorno dos cobradores aos coletivos municipais de Cuiabá é viável, sim”, afirmou nesta terça-feira (6/8/2013) o vereador Dilemário Alencar (PTB-MT), sem que isto implique em qualquer acréscimo de despesa às empresas do segmento.

O pronunciamento ocorreu durante a sessão plenária.

Ele exibiu documentos que contestam os argumentos enumerados pelo prefeito Mauro Mendes para não aprovar as mensagens do Legislativo relativas à área de transportes.

“Lamento essa decisão do Executivo cuiabano em vetar os projetos de lei aprovados por este Parlamento, que concedem benefícios diretos aos usuários do setor e aos próprios trabalhadores.

Benefícios que asseguram melhor qualidade no serviço e maior segurança.

Quem utiliza coletivos no seu dia a dia sabe o quanto isso é fundamental”, disse.

Alencar citou que dois projetos de sua autoria, igualmente vetados por Mauro Mendes, asseguravam inclusive o retorno dos cobradores.

“Esse projeto oportuniza a volta dos cobradores.

Ausência que tem implicado em dificuldades para os motoristas e falta de assistência a idosos, crianças e portadores de deficiência pública.

Esse argumento do prefeito de que o retorno dos cobradores isto iria impactar a tarifa, sendo necessária reajustá-la, não procede.

“Exemplificando, o vereador petebista lembrou os mais de 600 cobradores de coletivos demitidos em 2012.

“Mas não ocorreu nenhuma redução da tarifa, majorada com base nos custos contratuais desses trabalhadores.

Mesmo porque essas despesas se encontram inseridas na planilha das empresas.

A meu ver, eles (empresários) precisam é reduzir a tarifa primeiro.

Por isso fiz denúncia no Ministério Público.

Não tenho dúvidas de que o MP concluirá pela redução, que pode chegar a R$ 2,50.

Se em Várzea Grande o prefeito Walace Guimarães reduziu de R$ 2,95 para R$ 2,70, por qual motivo Cuiabá não pode fazer o mesmo?”, questionou.

O parlamentar afirmou que irá agendar audiência com o prefeito da capital mato-grossense para se inteirar acerca das propostas que ele tem no tocante ao impasse.

“Quero saber qual é a política do prefeito em relação ao tema.

Aliás, todos vimos a revolta da população no país inteiro por causa de desmandos diversos.

Sempre lembrando que a tônica das manifestações ocorridas no País inteiro teve início em São Paulo, justamente por causa de reajuste de tarifa no transporte coletivo.

Quero quer qual prefeito brasileiro é macho o suficiente para majorar tarifas nesse setor.

No caso de Cuiabá, é urgente promover melhoras na qualidade do sistema, não onerar mais o usuário”, ressaltou Dilemário.

Agência Trabalhista de Notícias (FM), com informações da Câmara Municipal de CuiabáFoto: Câmara Municipal de Cuiabá