“Dilma terá que mostrar se existe modo feminino de governar”,diz Cristiane

Agência Trabalhista de Notícias - 23/11/2010, 22:38

Leia abaixo entrevista concedida pela Presidente Nacional do PTB Mulher, Cristiane Brasil, ao Portal do PTB, nesta terça-feira (23/11):Portal do PTB – Qual sua expectativa com a realização de mais uma rodada do “Café com Prosa”?Cristiane Brasil – Estava mais do que na hora da gente retomar o “Café com Prosa”, que é um espaço de debate e não apenas de mulheres.

É claro que o evento é aberto para todos os simpatizantes do PTB, porque dentro de nossa lógica de PTB mulher os nossos círculos não são fechados.

É uma maneira também das pessoas virem e encontrarem com os dirigentes partidários, inclusive para rever as questões do partido.

Então realizaremos nesta quarta-feira mais uma edição do “Café Com Prosa” que copiamos do Rio Grande do Sul.

A nossa companheira gaúcha Yara Lopes é a grande mentora desse “Café com Prosa”.

E no encontro iremos discutir as eleições 2010, já que o resultado final foi um marco na representatividade feminina na política.

Querendo ou não, gostando ou não, o fato é que pela primeira vez vamos ter uma presidente mulher.

Portanto iremos debater o que significa ter uma presidente mulher.

Significa que as mulheres serão representadas pela chefe do governo? Será? No caso nossa presidente foi eleita por um homem e como a bandeira dela foi uma continuação da bandeira do Lula, na verdade ela pegou emprestado o apoio político que o Lula construiu.

Ela não fez sozinha essa construção e vai governar em um mundo de homens.

Nosso questionamento é: será que nossa presidenta vai defender as bandeiras das mulheres? Será que ela vai conseguir nomear as ministras, já que ela até falou recentemente que iria tentar conseguir emplacar várias mulheres em seu governo? Será que ela vai retomar as bandeiras políticas que por ela foram abandonadas ao longo desse processo? São esses os questionamentos, debates e perguntas que iremos enfrentar no “Café com prosa”.

Outra: as pessoas que votaram na Dilma, o fizeram pensando que por ser mulher ela vai governar diferente? Ou não? Será que existe um modo diferente de governar? Um modo feminino? Então são questões que nós pretendemos levantar nesse encontro e eu tenho certeza que vai ser um sucesso.

Contamos com a participação de todos e que os outros municípios e estados também adotem o “Café com Prosa” e que promovam debates com as lideranças femininas, para engrandecer o nosso partido.

Portal do PTB – Para uma inserção definitiva da mulher na política, o que está faltando?Cristiane Brasil – Tem vários aspectos que devem ser levados em consideração para explicar o desinteresse da mulher na política.

Primeiro a política em si toma muito tempo do político.

As pessoas acham que não mas as mulheres, por exemplo, que são casadas com políticos, sabem que os maridos não ficam em casa.

A vida política é do povo e isso toma muito tempo do político, não só para homens como para as mulheres.

E muitas optam por continuar suas carreiras solo, pois de uma certa maneira, é mais fácil ter um horário fixo de trabalho para que possam se dedicar às outras funções das mulheres que é a criação dos filhos, a administração da casa.

Portanto, muitas optam por não entrar na política por causa disso.

Se você observar o perfil das mulheres que entram na carreira política, na sua grande maioria são mulheres que não se casaram ou que não voltaram a se casar após uma separação.

A própria Dilma Rousseff não é casada e não tem essa vida pessoal afetiva resolvida.

A mulher que opta não fazer isso, e seguir o marido, pra ela tem a família, pra compensar a falta do marido.

Mas no caso da mulher que segue a vida política, ela acaba ficando sem marido mesmo!! Eu acho que, emocionalmente falando, seria um motivo que eu apontaria para a dificuldade da mulher em ingressar na carreira política.

A outra é o sistema de recompensas: as mulheres ainda ganham menos que o homem, e nas funções políticas são exigidas dela habilidades que ela não desenvolveu.

São habilidades no mundo dos negócios, pra falar de igual para igual com os homens em um ambiente masculino.

Essa é uma característica que as mulheres ainda não pararam para desenvolver.

Eu, por exemplo, até para lidar com meus pares, sinto que existem dificuldades para conversar sobre negociações, e muitas vezes há uma certa vergonha ao lidar com o poder mulher–homem.

Muitas vezes os homens de uma certa maneira até rejeitam as mulheres ou mesmo não respeitam as mulheres.

Enfim, o ambiente político é muito masculinizado e difícil, e as mulheres ainda precisam mostrar aos homens que estão lidando com eles de forma profissional e não pessoal.

Mas apesar de tudo acredito que estão sendo ampliados os espaços na política para as mulheres, e está aí a Dilma, que abriu a porta e com ela eu tenho certeza que surgirão várias oportunidades, em vários ambientes ainda masculinizados.

Como exemplos, presidências de câmaras municipais, de assembléias legislativas, conselhos de órgãos da sociedade, em tribunais de contas.

Tenho certeza que ainda vamos fazer uma revolução, mas cabe também às mulheres se preparar para isso.

Nós mulheres queremos trabalhar por um Brasil melhor.

Portal do PTB – Então você acredita que a vitória de Dilma pode criar uma onda favorável ao ingresso das mulheres na política?Cristiane Brasil – Eu acredito que essa porta que a Dilma abriu vai trazer mais oportunidade para as mulheres nas próximas eleições.

Acredito que os homens vão enxergar as mulheres com outras oportunidades porque existe toda uma onda mundial de as mulheres estarem assumindo essas responsabilidades.

Eu tenho certeza que o PTB vai ser um berço, um braço muito forte das mulheres que resolverem se candidatar agora nas eleições municipais de 2012.

Para isso estamos lançando a partir deste mês de dezembro o novo Concurso de Monografias do PTB Mulher, com tema sobre a Previdência Social, e inclusive convido todos os petebistas a entrarem em nosso site para baixarem as regras do concurso.

Em março estaremos fazendo a premiação, que será um bom prêmio de R$ 10mil para o melhor trabalho.

Todas as regras enfim estarão no site.

E claro que não podíamos deixar, em 2011, de realizar mais uma etapa do nosso treinamento de mulheres para a política.

Portanto, no segundo semestre do ano que vem nós estaremos preparando mais uma leva de mulheres para o “Tropa de Batom II”.

Precisamos de mais mulheres “faca na caveira”.

Agência Trabalhista de Notícias