Diretório do PTB-AM lança Sabino Castelo Branco à Prefeitura de Manaus

PTB Notícias 5/12/2011, 6:59


A corrida pela Prefeitura de Manaus (AM), em 2012, ganha mais um nome para disputar a sucessão do prefeito Amazonino Mendes.

O presidente nacional do PTB, Roberto Jefferson, lançou a pré-candidatura do deputado federal Sabino Castelo Branco (PTB-AM), decisão tomada pela Executiva Nacional da legenda.

Roberto Jefferson argumentou que a candidatura de Sabino vai dar visibilidade ao partido, no Estado, exposição na mídia para divulgar o programa do PTB e aumentar o contato com o eleitorado.

“A decisão está tomada e o PTB terá candidato próprio nas eleições municipais de 2012.

E o Sabino é nosso candidato”, sentenciou o presidente nacional do PTB.

Animado com a decisão da direção nacional, Sabino Castelo Branco, que é o presidente regional do PTB, diz que está disposto a concorrer à Prefeitura de Manaus especialmente para enfrentar o hoje adversário, Amazonino Mendes.

“Todo homem público, com uma carreira política tem o sonho de ser prefeito de sua cidade ou governador do seu Estado.

Eu também tenho.

Como o governador Omar Aziz não tem falado em nomes, não indicou ninguém do grupo para concorrer à Prefeitura, assim como o senador Eduardo Braga vive dizendo que não pretende disputar a eleição do ano que vem, o PTB, de forma legítima, põe o meu nome à disposição do grupo político para concorrer ao cargo”, afirmou o deputado.

O parlamentar informou que vai começar as conversas com os partidos para buscar o entendimento em torno do nome dele para disputar as eleições.

“Sei que há muitos pré-candidatos na nossa base aliada e essa é uma decisão que passa pelo governador Omar Aziz.

Portanto, o meu nome está à disposição do grupo para que façam essa avaliação”, complementou.

Como discurso de abertura da pré-candidatura, Sabino ataca a administração do prefeito Amazonino Mendes, ex-amigo e correligionário.

Diz que a atual gestão governa para a classe média e rica de Manaus, deixando a população mais pobre, dos bairros da periferia, sem assistência à saúde, educação, segurança, transporte público digno.

“Não adianta construir monumentos, cartões postais, Pontas Negras, se nas Zonas Norte e Leste falta água, energia elétrica, urbanização.

Cadê as promessas? Nenhuma foi cumprida pelo Amazonino.

Para mim, que era amigo e colocava fé na palavra dele, essa administração é uma decepção”, criticou.

TrajetóriaRaimundo Sabino Maués Castelo Branco tem 47 anos, nasceu em Manaus.

Empresário e apresentador de rádio e televisão é funcionário público (licenciado) da Secretaria de Estado de Segurança Pública (policial civil).

Entrou na carreira política em 2000, quando foi eleito vereador com 1.

938 votos.

Em 2002, candidatou-se a ALE-AM, mas não se elegeu.

Em 2004, foi reeleito vereador com 58 mil votos.

Em 2006, chega à Câmara dos Deputados.

Reelegeu-se em 2010.

LiberaçãoO presidente nacional do PTB, Roberto Jefferson, justificou o motivo por que liberou o prefeito Amazonino Mendes a deixar o partido para ingressar no PDT sem pedir o mandato de volta.

“Pura incompatibilidade entre o Amazonino e o Sabino.

Eles não mais se entendiam, não conversavam, portanto, não havia condições de permanecerem juntos no PTB.

Daí, resolvi dar a carta de desfiliação ao prefeito de Manaus”, disse Jefferson.

Com relação aos quatro vereadores da Câmara Municipal de Manaus – Dr.

Denis, Luiz Alberto Carijó, Marise Mendes e Wilton Lira – que deixaram o PTB para seguir Amazonino no PDT, Roberto Jefferson argumenta que os parlamentares não tinham o mesmo motivo para sair.

“Se o PTB do Amazonas pedir meu apoio para testemunhar junto ao TSE, contra a desfiliação dos quatro vereadores, eu me colocarei à disposição”, disse Jefferson.

Sabino já tomou as providências ao entrar com processo na Justiça Eleitoral pedindo o mandato dos vereadores.

O juiz federal Márcio Luiz Coelho de Freitas rejeitou os argumentos dos parlamentares no pedido de declaração de justa causa de desfiliação partidária por suposta discriminação pessoal.

Nem aceitou ouvir Roberto Jefferson como testemunha da infidelidade partidária.

Agência Trabalhista de Notícias (LL) com informações do Portal A Crítica